Crianças, o que vocês querem ser quando crescer?

Nas respostas profissões diversas aparecem, como as clássicas jogador de futebol e bombeiro, mas tem as que querem mesmo é ser artista!

VARIEDADES - OSLAINE SILVA

Data 16/10/2016
Horário 07:54
 

As respostas das crianças quando os adultos lhes perguntam o que elas querem ser quando crescer, são as mais diversas. A maioria, tanto menino quanto menina, geralmente menciona astronauta, jogador de futebol, bombeiro, médico, veterinário, entre outras. Mas, tem aqueles que querem ser artistas! Então resolvemos hoje evidenciar algumas dessas, que dedicam boa parte de seu tempo e se dizem realizadas com as atividades artísticas que praticam.

O pequeno Luiggi Martinez Peres tem apenas 5 anos, e respondeu a essa pergunta, da seguinte forma: "Quero ser ‘médico de criança’, igual ao doutor Aparecido Nórcia que cuida de mim . Mas, eu posso continuar tocando violino e dançando também, certo?", indagou.

Jornal O Imparcial Juliene Gonzaga da Silva, de 14 anos. afirma: "Música para mim é tudo. Não dá para explicar. É maravilhoso!"

Sabem por que a preocupação dele? Porque Luiggi traz no sangue e respira a arte desde o ventre da mamãe Rejane Martinez Peres, que é professora de música, piano e flauta transversal, além de dançarina de balé clássico! E, o papai dele é o maestro de violino Luiz Antonio Peres Filho, da Escola de Música Camerata, mais conhecido como o professor Luizão, muito querido por seus alunos.

Dá para entender, certo? Luiggi está aprendendo violino e também dança jazz. Segundo ele, quando está dançando seu corpo se sente bem melhor! Fica saudável. E se sente muito feliz quando está na aula de violino porque está com seus amigos.

Luiggi diz que acha muito legal quando seu pai está tocando violino porque ele deixa as pessoas felizes. "Todo mundo conhece o papai porque ele é maestro. E a minha mãe quando está dançando de fantasia! Nossa como ela fica linda! A minha tata então, nossa parece uma princesa!", suspira o garotinho que quer ser "médico de criança", mas continuar tocando e dançando.

 

Na ponta dos pés!


Pietra Monteiro Avelaneda Morgado Araújo está hoje com 10 anos e há sete ela faz balé. Aluna do projeto Dança In Prudente, a pequena estuda de manhã e durante três dias da semana dedica suas tardes à dança. "Quando estou no palco, principalmente, diante de muita gente dá um friozinho na barriga, uma certa vergonha. Mas, eu adoro! Ainda mais quando vejo a felicidade da minha mãe ao me ver dançar. Ah, eu faço ginástica artística também. E é isso que quero ser quando crescer: bailarina e ginasta!", exclama a pequena Pietra.

De acordo com sua mamãe, Patrícia, a ideia em colocar a filha no balé foi com a intenção de que a menina trabalhasse a disciplina, concentração, postura e mais do que isso: "Pietra é uma criança saudável e feliz. Isso é o mais importante", salienta a mãe.

Segundo Tamara Barbosa, que coordena, atualmente, o projeto ao lado de Fernanda Benvenuto, a dança/arte transforma a vida das pessoas, em especial das crianças proporcionando além de disciplina, autoconfiança, respeito mútuo entre aluno/professor e entre os colegas.

"Lhes dá musicalidade, ritmo, coordenação motora, habilidade para memorização e pensamentos rápidos, além de ser uma atividade física completa. Sem contar que pode se tornar uma profissão para as crianças que desejam seguir na carreira artística ou se tornar professores", destaca Tamara.

 

Música e sentimento


Juliene Gonzaga da Silva, 14 anos, é outra jovem que trocou o tempo ocioso pela dedicação a arte. Há três anos ela integra a lista de alunos do projeto Guri, onde faz aulas de clarinete. Conforme a adolescente, que anteriormente fez aulas de coral e acordeom, cada pessoa pode sentir a música de uma maneira, fazer interpretações distintas. Mas, uma coisa é certa, o poder que ela exerce é igual.

"Música para mim é tudo. Não dá para explicar. Eu a sinto e isso é maravilhoso!", exclama a jovem.

 

Veja também