Crônica Suja

Sandro Villar

O Espadachim, um cronista em ritmo de eleição

CRÔNICA - Sandro Villar

Data 20/10/2020
Horário 05:31

O que que há? Deu a louca em certos candidatos a vereador Brasil afora? Certos codinomes e apelidos são apelativos pra cachorro. Dá a impressão de que eles querem fazer concorrência desleal aos humoristas. Não levam a política a sério, logo a política tão avacalhada, demonizada e desqualificada nestes tempos assombrosos.
O título da crônica não poderia ser outro e vocês entenderão o motivo. Alguns codinomes lembram coisas que causam "sujeira" e necessitam de papel higiênico. Ou fraldas. Por exemplo: em Mirante da Serra (RO), o candidato Cágado tenta se reeleger vereador pela quarta vez. 
No caso, Cágado é o apelido do ilustre Hilton Emererick de Paiva. Na verdade, a grafia do codinome, que com acento designa o quelônio de pescoço longo, não tem  acento agudo. Como ainda é meio pudico, o cronista optou por colocar o acento.
Vós aí, com assento na plateia, retirem o acento e tereis o real apelido. Algo "lambuzado", como os bebês na hora de trocar as fraldas ou idosos que precisam usar fraldas geriátricas. E o candidato Cágado não está nem aí até porque o apelido já lhe garantiu três mandatos de vereador.
O folclore político não para por aí. O que dizer do candidato Paulo Sérgio Silvestre (PSL), de Bauru, que, na linha do Cágado, também adotou um codinome que, se assim posso dizer, faz alusão ao bolo fecal? 
Ele adotou o apelido Paulo B. Claro, é aquilo em que mosca gosta de pousar e cuja palavra começa com B, prossegue com O, emenda um S, acrescenta um T e finaliza com um A.
Não é preciso ser médico para saber que quando alguém solta o "barro", tal "procedimento" é precedido por uma, digamos, liberação de gases, os tais gases intestinais ou flatulência (vejam o cuidado de linguagem do cronista).
Pois em Água Limpa (GO), o também candidato a vereador André Luiz Eterno Vieira Costa (PSC) achou que lhe cai bem o codinome alusivo à flatulência. 
Também nesse caso não tenho escapatória e, munido de bom senso, sou compelido a soletrar o apelido do candidato, que começa com a letra P, prossegue com um E, entra um I, emenda um D e termina com um O. Sim, é André P e ninguém tem nada com isso.
Por falar em "sujeira", tem o caso do senador Chico da Cueca, de Roraima, acusado de roubar dinheiro que seria destinado à saúde. Esse bicho teve que ficar pelado na frente de policiais federais. 
O sujeito escondia R$ 33 mil na cueca, mas tem um detalhe: algumas notas estavam entre as nádegas, na boca do "cofrinho", e ficaram molhadas ou sujas. Isso sim é que é aplicar no "fundo", mesmo se borrando com a chegada da polícia.

DROPS

Ranking é uma rã macho com mania de rei.

Trump diz que pode deixar o país se perder a eleição. Já pode começar a arrumar as malas.

Robinho quanto mais fala mais se enrola. Será difícil ele driblar essa situação.

Brasil simulou guerra contra a Venezuela e gastou R$ 9 milhões com essa brincadeira. 
 

Veja também