Culpa nossa também

Presidente Prudente somou até a manhã de ontem, 243 casos confirmados e 13 óbitos de Covid-19. Sem dúvidas, a pandemia impacta gravemente a saúde pública e traz incertezas na economia. Mas também, precisamos olhar para outra epidemia que o município enfrenta: a dengue.

Para ter ideia, na primeira semana de março de 2020, Prudente registrava 503 casos; e de lá para cá, houve uma evolução de mais de 700% da doença. Até sábado, quando se apurou oficialmente, somamos 9.803 notificações e 3.775 confirmações laboratoriais.

Não deixar água acumulada em recipientes e vasos de planta, conservar a caixa d’água fechada e não deixar restos de construção civil ou pneus descobertos no quintal... Enfim, saber como evitar a proliferação do Aedes aegypti, todos nós estamos cientes, mas então por que há um crescimento vertiginoso de vítimas ano após ano?

A situação é muito crítica e a sociedade civil tem uma missão fiscalizadora para evitar a propagação tanto do novo coronavírus quanto do mosquito vetor, pois o Executivo municipal tem feito uma parte quanto a isso: nebulização em bairros, construção de Ecoponto, recolhimento de lixo domiciliar diferenciado, além da atuação árdua e diária dos agentes da Vigilância Epidemiológica Municipal. Talvez seja importante ainda uma ampla campanha de conscientização da população.

Neste ponto, um dos principais agravantes é o constante descarte irregular de entulho e material orgânico em terrenos baldios, feito pelos próprios moradores das localidades. O monitoramento por meio de câmeras de segurança e multa são medidas que podem ser feitas, já que essa prática é crime, e também abre brecha para outra doença: a leishmaniose, que já teve a sua primeira vítima confirmada e ataca tanto animais domésticos quanto seres humanos.

Enquanto os distritos vizinhos contam com menos de 70 positivos de dengue, Prudente beira os 4 mil. A zona leste é a região com maior número de casos, que sozinha somou 2.199 notificados e 801 confirmados, até o ultimo dia 13 de junho.

Com saúde não se brinca! A falta de conscientização, da efetiva ação pública e em parte da irresponsabilidade da própria população tem levado a um efeito ‘boomerang’. Para que nossa gente não sofra mais, vamos fazer nossa parte, limpando quintais, separando lixo e não permitindo lixo em terrenos baldios!

 

 

Veja também