Deisiane Teixeira foca no Pan-Americano Sub-20

“Não quero chegar lá e ficar em 4º lugar, eu quero chegar e ficar em 1º. Minha meta não é estar no mesmo nível das competidoras, mas estar superior a elas”, diz atleta

Esportes - THIAGO MORELLO

Data 03/07/2019
Horário 04:00
Fotos: Sergio Borges - Antes de chegar à modalidade atual, ela percorreu outros esportes
Fotos: Sergio Borges - Antes de chegar à modalidade atual, ela percorreu outros esportes

“Não quero chegar lá e ficar em quarto lugar, eu quero chegar e ficar em primeiro. Minha meta não é estar no mesmo nível das competidoras, mas estar superior a elas”. É com essa vontade misturada com força e garra que a atleta da modalidade lançamento de dardo, Deisiane Teixeira, se encontra no momento. Faltando mais ou menos 15 dias de encarar o Pan-Americano de Atletismo Sub-20, que ocorre de 19 a 21 de julho em San José, Costa Rica, os últimos dias da prudentina tem sido com foco total para a competição. Com uma rotina de treinos, ela também soma os recentes bons resultados obtidos que a ajudam e dão um gás a mais para chegar à conquista pretendida.

Nesse ano, a atleta tem um histórico, como ela mesma diz, “abençoado”. Primeiro foi campeã brasileira no início do ano e, mais recentemente, em junho, trouxe pra casa a prata, ao participar do Campeonato Sul-Americano de Atletismo Sub-20, em Cali, na Colômbia. “Então, pensando em manter tais índices, a gente está treinando forte, com treinos bem intensos. Nessa reta final, é de segunda a sábado, dois turnos por dia”, pontua Deisiane.

Quando a atleta fala “a gente”, ela se refere ao técnico Cremilson Rodrigues, o Montanha. Juntos eles têm desenvolvido o trabalho na carreira da atleta, que no último ano tem ficado mais acentuado, ao pensar nos resultados obtidos.

O treinador lembra que o Pan-Americano é a chance de Deisiane fechar 2019 com chave de ouro. “O Sul-Americano foi a prova de fogo, mas o Pan-Americano será a grande chance. Dia 15 ela já vai para Bragança Paulista [SP], para ficar num campi e se concentrar para o campeonato”, menciona Cremilson.

A oportunidade também será o cenário para começar o fechamento de um ciclo. Aos 19 anos, assim que atingir 20, a atleta passa para a categoria adulta, no qual, segundo ela, será uma mudança grande. “Será meu primeiro ano de adulta, em 2020 e eu estarei lidando com atletas mais experientes, com mais histórico. Sendo assim, esse ano no Pan, é minha grande chance”, frisa a jovem atleta.

Fora isso, Deisiane também encara o Troféu Brasil ainda esse ano. Em ambos ela também tentará bater o recorde conquistado, que é a marca de 52m56cm. Segundo Cremilson, o número foi atingido em 2019, numa etapa do Campeonato Paulista esse ano. “Ela foi a primeira atleta da região a conseguir o índice para o Pan-Americano dentro dessa modalidade”, acentua o técnico.

Fotos: Sergio Borges - Recentemente a atleta foi prata no Sul-Americano, na Colômbia

O começo

Mas, nem sempre o dia a dia de Deisiane foi regado de bons resultados em competições. Como muitas histórias, ela teve um começo difícil, de modo que a impulsionou até mesmo a pensar em desistir. E contando a história passo a passo, lançar dardos nem foi o primeiro contato esportivo que ela teve.

“Eu comecei no handebol, depois mudei para as corridas, fazendo provas como velocista nos 100m [metros] livre. Mas depois, como eu era nova, fui incentivada a fazer várias provas e competir em vários esportes”, conta a atleta.

Foi quando ela conheceu os dardos, mas confessa que inicialmente não gostava muito. “Até que peguei o gosto, comecei a me dedicar mais e, hoje, não me vejo fazendo outra coisa”, garante Deisiane.

Lá se foram três anos, que é mais ou menos também quando ela conheceu o técnico. “Depois que conheci o Montanha, comecei a pegar mais firme e tive uma base muito forte”, afirma.

Entretanto, como lembrado pelo treinador, no momento em que se conheceram, a prudentina estava no último suspiro, isto é, tentando a última cartada para que não desistisse da carreira. “Quando ela me procurou, foi como um último suspiro, por justamente não ter alguém que a orientasse aqui”, lembra Cremilson.

Não só isso, outra dificuldade enfrentada na época, como pontuado pela atleta, era a falta de apoio, seja do poder público ou da iniciativa privada, o que hoje é diferente. “Em nenhum momento eu tive coragem de desistir, porém tinha muita vontade. Mas, graças a Deus tudo valeu a pena e estou aqui”, agradece a atleta pela força divina e o apoio dos patrocinadores: Academia 12POR8, Botica Nativa, Damaris Cardoso psicóloga, KNN línguas, Life Sucos, Marcela Oliveira nutricionista, Nutripoint Suplementos, Oca Mania, Physical Fitness, Sinne Ville Casa de Repouso, Spasso Eventos e Universal Suplementos.

Fotos: Sergio Borges - Deisiane e Montanha treinam todos os dias, em dois turnos diários

 

 

 

 

 

Veja também