Diretor da Câmara de Taciba tem prisão temporária decretada

Funcionário é suspeito de integrar esquema de desvio de verbas, que chega a R$ 140 mil; documentos e dinheiro foram apreendidos

REGIÃO - ROBERTO KAWASAKI

Data 21/09/2018
Horário 15:41
Arquivo - Câmara de Taciba é alvo de investigação pela Polícia Civil, TCE e MPE
Arquivo - Câmara de Taciba é alvo de investigação pela Polícia Civil, TCE e MPE

Na manhã de hoje, a Polícia Civil deu andamento à segunda fase da Operação Formigueiro, e prendeu temporariamente o diretor da Câmara Municipal de Taciba, Odair Aparecido Ferreira, suspeito de integrar um esquema de desvio de verbas públicas do Legislativo. Durante o cumprimento do mandado de prisão, foram apreendidos documentos públicos na casa do acusado, bem como uma quantia de R$ 6 mil. Odair foi conduzido à cadeia pública de Presidente Venceslau, onde prestará depoimento na segunda-feira.

De acordo com o delegado da UIP (Unidade de Inteligência Policial), Airton Roberto Guelfi, além do mandado de prisão temporária, também foram cumpridos dois mandados de busca. “A prisão resultou da investigação que vem sendo feita, onde o funcionário é suspeito de agir de forma a desvencilhar seu patrimônio, a fim de evitar uma eventual condenação”, pontua o delegado.

Como noticiado por este periódico no mês passado, uma ação conjunta entre a Polícia Civil, TCE (Tribunal de Contas do Estado) e MPE (Ministério Público Estadual) apreendeu dois notebooks, duas CPUs e quatro malotes com documentos referentes aos anos de 2015 a 2018, na Câmara Municipal de Taciba, uma vez que a casa de leis é alvo de investigação sobre possíveis irregularidades financeiras ocorridas em períodos anteriores.

R$ 140 mil

Conforme a polícia, inquéritos foram instaurados pela comarca de Regente Feijó após recusa de fornecimento de dados pelo Legislativo, por parte do diretor. Segundo o delegado Airton, a estimativa é de que foram desviados, no mínimo, R$ 140 mil, no entanto, os valores serão confirmados após a finalização do relatório do TCE que analisa os documentos apreendidos em agosto.

De acordo com o delegado, no dia 13 deste mês o diretor da Câmara foi detido com R$ 60 mil em espécie após sair de uma agência bancária no município. “Após abordagem, a caminho de sua residência, ele disse que o valor seria proveniente de da venda de uma propriedade rural, mas depende da investigação para comprovar a veracidade da afirmação”, comenta a autoridade.

Outro lado 

A reportagem entrou em contato com a Câmara de Taciba para buscar um posicionamento a respeito da prisão do diretor da Câmara. Contudo, foi informada de que o advogado responsável, Adriano Gimenes Stuani, não estava em horário de serviço e que iria retornar na semana que vem. Até o momento, não foi possível contato com o advogado Rafael Zaque Uzeloto, que defende Odair.

 

 

 

 

 

Veja também