Ed Thomas cobra  “consciência” da comunidade

Prefeito de Prudente não descarta medidas mais restritivas em possível lockdown 

PRUDENTE - ROBERTO KAWASAKI

Data 10/04/2021
Horário 07:25
Foto: Arquivo
Prefeito orienta quanto à importância da conscientização 
Prefeito orienta quanto à importância da conscientização 

Presidente Prudente vive um dos piores momentos da pandemia da Covid-19. Nesta semana, quatro pessoas morreram nas UPAs (Unidades de Pronto-Atendimento) enquanto aguardavam leitos para tratamentos em hospitais. O acontecimento chama a atenção juntamente com crescimento dos números de óbitos, o que faz com que uma parcela da comunidade cobre das autoridades municipais medidas ainda mais restritivas. 
Em entrevista a O Imparcial, o prefeito Ed Thomas (PSB) afirma que não descarta a possibilidade de decretar lockdown para conter o avanço da Covid-19. “Com certeza, [se necessário], a decisão mais dura e mais rígida será tomada com a sociedade, os segmentos, seja do comércio, serviços, e principalmente da nossa equipe da saúde municipal”, explica. No entanto, o chefe do Executivo diz que no momento acredita no que chama de “lockdown da consciência”.
“Nós temos fiscalização, não tanto quanto gostaríamos. Mas estamos falando de pessoas adultas, e as crianças parecem estar muito mais conscientes que os adultos, que permanecem no calçadão, que vão ao Parque do Povo. Eu entendo o direito de liberdade”, explica o prefeito. “Temos uma economia que vai ser muito difícil de recuperar, e o lockdown piora muito mais, porque Presidente Prudente é a região que há mais tempo está na fase vermelha”, lamenta. Ed Thomas acredita que isso ocorreu devido à demora na entrega de leitos. 

O chefe do Executivo diz que no momento acredita no que chama de “lockdown da consciência”

Leitos para internação

E é justamente a questão dos leitos que mais preocupa, uma vez que há pacientes em UPAs, na espera de internações em hospitais. “Essas pessoas não deveriam ficar ali, porque é uma UPA, não um hospital”, afirma. “Com mais atendimento, nós cumprimos com a nossa responsabilidade de fazer bem feito, porque todos os 40 leitos do HR [Hospital Regional] e os 21 da Santa Casa estão lotados”, explica o prefeito de Prudente. 
Conforme noticiado por este diário, nesta semana, o Ministério da Saúde autorizou, em caráter excepcional e temporário, 20 novos leitos de UTI (Unidade de Terapia Intensiva) para o atendimento de pacientes graves com Covid-19 na região de Presidente Prudente. A estrutura hospitalar será reforçada na Santa Casa de Misericórdia de Presidente Prudente, que receberá 10 leitos, com gestão estadual. A implantação contribuirá para desafogar pelo menos parte da fila de espera, que nesta semana, chegou a 60. 
De acordo com o prefeito, hospital de campanha na cidade também seria ideal para o atendimento. Mas, até o momento, não foi confirmada a instalação. “Salvamos muitas vidas, mas creio que poderíamos ter salvado outras”, lamenta o prefeito, que cita o trabalho feito pela Prefeitura, como a montagem do Cohabão com equipamentos e salas respiratórias, e a unidade de pronto-atendimento do Jardim Santana, que se prepara para oferecer atendimento 24 horas a pacientes que não estejam com Covid-19. “Estamos fazendo isso com a iniciativa privada; o município tem feito a parte dele”. 
Por sua vez, a Secretaria de Estado da Saúde expôs, por meio de nota que, devido ao recrudescimento da pandemia de Covid-19 e o aumento exponencial de internações, a sobrecarga na rede de saúde já é uma realidade em diversos locais e os serviços do SUS (Sistema Único de Saúde) esforçam-se para garantir assistência adequada e oportuna a todos. Isso é feito para demandas das 645 cidades do Estado, independentemente da doença do paciente. O mesmo ocorre por parte da Central de Regulação estadual, que funciona 24 horas por dia como mediadora entre os serviços de origem e de referência. “Seu papel não é criar leitos, mas auxiliar na identificação de uma vaga no hospital mais próximo e apto a cuidar do caso. Nenhuma negativa parte deste serviço, que é apenas intermediário. Cada solicitação é avaliada por médicos reguladores, sendo crucial a atualização do quadro clínico, estabilização e deslocamento seguro do paciente”.
Ainda segundo o Estado, a demanda de transferências para casos de Covid-19 registradas na Cross cresceu 117% em comparação ao pico da pandemia: atualmente, são cerca de 1,5 mil pedidos por dia, contra 690 em junho de 2020, quando foi o auge da primeira onda. Em 10 de março, a média de pedidos era de 1,2 mil diariamente. Cerca de 35% das solicitações diárias referem-se a leitos de UTI. Já houve mais de 190 mil regulações de Covid-19 desde março do ano passado. A regulação depende da disponibilidade de leitos e de condição clínica adequada para que o paciente seja deslocado com segurança até o hospital de destino.

Importância da conscientização

Boletins diários mostram quedas no número de internações em enfermarias, que oscilam, no entanto, de terapia intensiva continuam altos. Diante deste cenário, o prefeito reforça a importância da conscientização. “Para as pessoas que não acreditam, eu gostaria que elas festejassem e se reunissem em outro período, está muito difícil. Não temos só o distanciamento social, mas o distanciamento humano, que machuca muito. A família é o maior patrimônio que a gente tem, e o maior risco, agora, são as pessoas jovens, de 20 a 54 anos que estão perdendo a vida”, lamenta.
“A palavra é responsabilidade, é simples. A vacina ainda não chegou para todos”, orienta o prefeito Ed Thomas.

Veja também