Educação municipal de Tarabai recebe preparo sobre inclusão de autista

Programa Educa Pontal promove ações formativas para professores da rede municipal e estudantes de Pedagogia

REGIÃO - DA REDAÇÃO

Data 19/05/2022
Horário 06:12
Foto: Cedida
Neurologista Armênio: “Workshop transdisciplinar de medicina e pedagogia”
Neurologista Armênio: “Workshop transdisciplinar de medicina e pedagogia”

Em realização pelo Programa Educa Pontal, o “Workshop: Autismo e Educação” oferece preparo sobre a inclusão escolar de estudantes com TEA (Transtorno do Espectro do Autismo) na rede municipal de ensino Tarabai. Há o entendimento de que o incluir implica em mudança estrutural da escola e da formação continuada de professores da classe comum, que precisam de subsídios conceituais e práticos em relação a esses estudantes. São quatro ações formativas, sendo as duas primeiras com o neurologista pediátrico e professor universitário Armênio Alcântara Ribeiro.
Participam professores do município e estudantes de Pedagogia da Unoeste (Universidade do Oeste Paulista). A primeira ação foi no dia 4 deste mês e a segunda foi realizada nesta quarta-feira. A terceira será no dia 25 com Danielle Aparecida do Nascimento dos Santos, coordenadora do programa e dos cursos de Pedagogia presencial e a distância da Unoeste. O quarto e último será no dia 8 de junho, com a professora Daniela Lázari de Almeida Souza, vinculada à educação especial da Seduc (Secretaria Municipal de Educação) de Presidente Prudente ; mestranda em educação inclusiva. Os encontros remotos foram programados das 18h às 20h, com participação gratuita.

Descrições científicas

Conforme o neurologista Armênio, inicialmente foram trabalhados os primórdios das descrições científicas sobre o autismo e sua evolução até os tempos atuais, passando por renomados estudiosos: o psiquiatra suíço Eugen Bleuler no início do século passado; os psiquiatras ucraniano Leo Kanner e australiano Hans Asperger, nos meados da década de 1940, até o conceito do TEA (Transtorno do Espectro Autista). “Em sequência, retrato a sintomatologia que permeia a suspeita clínica, a necessidade de exames complementares, as comorbidades e o diagnóstico definitivo”, pontua.
“Ao finalizar, discutimos sobre os métodos de estimulações e as possibilidades de tratamentos, medicamentosos ou apenas comportamentais”, conta o especialista e destaca a importância de trabalhar o conceito de transdisciplinaridade, pelo qual “a pedagogia se sobrepõe à medicina, e a medicina se sobrepõe à pedagogia; o que pode parecer completamente distinto, se torna complementar; beneficiando assim a criança”, afirma o médico ao participar dessa atividade do Educa Pontal, programa realizado em parceria entre a Proext (Pró-reitoria de Extensão e Ação Comunitária) da Unoeste e a Diretoria de Ensino da Região de Mirante do Paranapanema.

Veja também