Empresário é acusado por manter bolivianos em condição análoga à escravidão

Operação deflagrada ontem em Adamantina resultou na apreensão de documentos e celulares

REGIÃO - ROBERTO KAWASAKI

Data 30/07/2021
Horário 12:50
Foto: Reprodução/Google Street View
 Denúncia é investigada pela Polícia Federal em Marília
 Denúncia é investigada pela Polícia Federal em Marília

Um empresário de Adamantina tornou-se alvo de investigação pela Polícia Federal, após denúncia de que supostamente ele estaria mantendo bolivianos em uma residência em condição análoga à escravidão. Ontem, a Operação Eratos apreendeu documentos e celulares para compor o inquérito policial.

Conforme a investigação, os estrangeiros prestavam serviços ao acusado, no ramo de confecção de roupas. A ação teve apoio da Delegacia Seccional de Polícia Civil de Adamantina e da Gerência Regional do Trabalho e Emprego em Presidente Prudente.

Segundo a Delegacia de Polícia Federal de Marília, ao longo das buscas foram apreendidos documentos e celulares. Ainda, foram realizadas diligências pelos auditores-fiscais para instrução de procedimento fiscalizatório instaurado na seara administrativa.

Na ocasião, a Unidade de Polícia de Imigração da Polícia Federal realizou a verificação da situação migratória dos moradores do local, e procedeu com a notificação dos que se encontravam em situação irregular.

O nome da operação faz alusão a parte do nome de um dos auditores assassinados em Unaí (MG), Eratóstenes de Almeida Gonsalves, quando investigavam denúncias de trabalho escravo.

Veja também