Entidades dividem opiniões sobre retorno obrigatório às aulas

Estado anunciou a retomada obrigatória dos estudantes para as redes estadual, municipal e privada vinculadas ao Conselho Estadual de Educação a partir de amanhã

PRUDENTE - WEVERSON NASCIMENTO

Data 17/10/2021
Horário 04:02
Foto: Freepik
A partir de amanhã, ocorre a retomada obrigatória das aulas presenciais no Estado de São Paulo
A partir de amanhã, ocorre a retomada obrigatória das aulas presenciais no Estado de São Paulo

O governo do Estado de São Paulo anunciou nesta quarta-feira a retomada obrigatória dos estudantes às aulas presenciais para as redes estadual, municipal e privada vinculadas ao Conselho Estadual de Educação a partir desta segunda-feira. Até então, a presença era facultativa às famílias. Já a partir de 3 de novembro, deixam de valer a obrigatoriedade do distanciamento de 1 metro e o revezamento entre alunos no ensino presencial. Na região de Presidente Prudente, entidades dividem opiniões a respeito do retorno obrigatório às aulas. O coordenador regional da Apeoesp (Sindicato dos Professores do Ensino Oficial Estado de São Paulo), William Hugo Correa dos Santos, explica que a categoria específica não concorda com a determinação do governo para o retorno obrigatório dos estudantes, uma vez que as escolas “não têm infraestrutura” para que os alunos retornem 100%. Tal medida, segundo ele, também retira a autonomia dos pais e responsáveis em deixar seu filho no ensino remoto. 
“Muitos alunos ainda não retornaram ao presencial por conta dos riscos, seja no transporte, no contato pessoal, e, apesar de ter o distanciamento dentro da unidade escolar, eles acabam tento contato durante o intervalo”, comenta o sindicalista. “Em uma pesquisa recente, a Secretaria Estadual de Educação já admitiu que somente 24% de todas as escolas estaduais têm infraestrutura para fazer esse retorno obrigatório”, acrescenta o coordenador regional da Apeoesp. 

"Risco de contágio"

A não obrigatoriedade do distanciamento, segundo William, também pode refletir em uma maior incidência de casos positivos de Covid-19 no ambiente escolar, além de desrespeitar as medidas sanitárias adotadas pela OMS (Organização Mundial da Saúde) para o enfrentamento da pandemia. Para a Apeoesp, o governo deveria adiar para 2022 o retorno presencial obrigatório dos alunos. A vacinação em massa também é defendida pelo sindicato, uma vez que nem todos os estudantes estão vacinados, e, mesmo aqueles que estão, continuam sendo contaminados e, por consequência, seus familiares.
O Sintrapp (Sindicato dos Servidores Municipais de Presidente Prudente e Região), entidade que defende os interesses dos professores da rede municipal, também se manifestou quanto à decisão do Estado. A presidente do sindicato, Luciana Telles, explica que, com a retomada das aulas presenciais no esquema de rodízio, o Sintrapp fez visitas nas unidades escolares para averiguar se os ambientes eram adequados e notaram que a “realidade é bem diferente” do decreto do governo. 
“Não existe estrutura para garantir segurança sanitária nem durante o esquema de rodízio, imagine com 100% dos alunos e alunas ao mesmo tempo dentro de uma sala? Com toda a certeza o distanciamento não seria cumprido, haja vista que as salas são pequenas”, enfatiza Luciana. “Retomar com 100% dos estudantes no regime presencial é colocar em risco a saúde e a vida de toda a comunidade escolar, das crianças e familiares”, considera. 
O Comed (Conselho Municipal de Educação de Presidente Prudente), por sua vez, entende que, por não haver previsão de vacinação para o público abaixo de 12 anos, tampouco qualquer previsão de testagem em massa para esse público em especial, e por não haver condições físicas, nem recursos humanos suficientes neste momento, convocar 100% dos alunos para as aulas presenciais nas atuais circunstâncias, “é colocar em risco” a integridade física desse público e das pessoas com comorbidade que compõem seus núcleos familiares. Deve ser considerado que o ano letivo de 2021 não terá mais de 40 dias úteis, se considerada a data de 25 de outubro para possível volta às aulas presenciais com 100% dos alunos, conforme informado pela Secretaria Municipal de Educação.

Decisão favorável

O presidente do Sindicato das Escolas Particulares de Presidente Prudente e Região, Antonio Batista Grosso, em seu turno, explica que a categoria concorda com a decisão do Estado, uma vez que as unidades vinculadas ao órgão estão seguindo à risca as medidas de prevenção contra o coronavírus. O representante da categoria acrescenta que o ensino remoto, por mais adaptado que seja, “trouxe certos prejuízos” aos alunos, principalmente quanto ao contato aluno e professor em busca das melhores soluções de aprendizagem. “Em casa o aluno não tem a presença do professor para tirar suas dúvidas, por isso consideramos que, para as escolas particulares, este retorno presencial não pode demorar mais”, afirma.

SAIBA MAIS

SP anuncia volta obrigatória às aulas a partir do dia 18 de outubro

Veja também