Epitácio é única cidade sem rio canalizado

Na margem do Rio Paraná foi implantado um parque linear, o Parque da Orla, que conta com diversos equipamentos urbanos.

REGIÃO - Mariane Gaspareto

Data 12/04/2015
Horário 10:37
 

Presidente Epitácio é a única cidade na região que não conta com cursos d’água canalizados, apresentada como modelo por sua relação de identidade com o Rio Paraná e seu cuidado com os recursos hídricos no território municipal. Panorama, por sua vez, apesar de também valorizar o "Paranazão", conta com a canalização do Córrego das Marrecas – que já recebeu despejo irregular de esgoto, em 2013. Ambas as cidades também foram analisadas pela pesquisadora Norma Regina Truppel Constantino por meio do estudo "A construção da paisagem de fundos de vale em cidades do oeste paulista".

Das 16 cidades pesquisados na região, apenas duas não apresentaram trechos de rios e córregos canalizados no subterrâneo, mantendo a identidade de seus rios com a preservação das áreas. Uma delas, Presidente Epitácio, tem uma "ligação muito forte com o Rio Paraná, bastante utilizado pela população", de acordo com Constantino. "Epitácio é um exemplo por ser uma estância turística. Dessa forma, o rio e seus afluentes são essenciais não só para o meio ambiente, mas para a economia local. No entanto, é importante ressaltar que não temos que cuidar só dos grandes rios, buscando incentivar o turismo, mas também dos cursos d’água de pequeno porte, igualmente importantes para o sistema hídrico", diz.

Na margem do Rio Paraná foi implantado um parque linear, o Parque da Orla, que conta com diversos equipamentos urbanos. No entanto, de acordo com o estudo, a arborização ainda é insuficiente para possibilitar um microclima agradável nos períodos mais quentes, já que a temperatura na cidade é bastante elevada. A ciclovia acompanha o parque e segue margeando o rio Paraná até o Píer, que permite acesso direto ao rio, com uma pequena praia para os banhistas.

A prefeitura aprovou, em 2006, o Plano Diretor da Estância Turística de Presidente Epitácio, destacando a preocupação em controlar o uso e a ocupação de margens de cursos d´água, áreas sujeitas à inundação, mananciais e cabeceiras de drenagem. O documento pontua que a estruturação espacial deve considerar a rede hídrica da cidade, como "o mais importante sistema estruturador do ordenamento territorial da cidade".

 

Córrego poluído

Panorama, de acordo com o projeto urbanístico de Prestes Maia de 1945, deveria ser como a "cidade de Santos do interior", com a intenção de aproveitar a paisagem proporcionada pelo Rio Paraná e o seu afluente, o Córrego das Marrecas. No entanto, apesar de dar "toda essa visibilidade para o rio", segundo Constantino, perdeu mata ciliar nas margens e o Córrego das Marrecas, por sua vez, está poluído.

Em fevereiro de 2013, o MPE (Ministério Público Estadual) abriu inquérito para apurar se houve contaminação da água do Córrego das Marrecas e do Rio Paraná por conta do despejo irregular de esgoto, exigindo que a Cetesb (Companhia Ambiental do Estado de São Paulo) apresentasse laudo sobre as condições da água em Panorama.

Das nove bombas que ligam o esgoto à estação de tratamento, sete estavam danificadas por falta de manutenção. Dessa forma, boa parte dos dejetos era despejada diretamente no córrego, que deságua no Paraná. Posteriormente, no mesmo mês, a Cetesb confirmou o despejo irregular, por pelo menos seis meses, sem um sistema adequado no município. A razão foi a falta de recursos suficientes para que o município trocasse as bombas, que custam até R$ 30 mil cada uma. Todavia, ainda em 2013 a prefeitura realizou a manutenção e troca das bombas.

De acordo com Maria Amélia Longhi Jodar, interlocutora da Casa de Agricultura e Meio Ambiente do município, a manutenção das bombas é realizada até hoje pela prefeitura e o córrego recebe ações rotineiras de preservação. "Não há nenhuma construção em cima de sua canalização e não temos nenhum registro de alagamento ou inundação por conta dessa medida em dias de chuvas muito volumosas" acrescenta. Conforme a profissional, não há no momento estudos sendo realizados para possibilidade de renaturalização do córrego.

Veja também