FCT/Unesp planeja retomar atividades presencias ainda em 2021

Cursos e departamentos que demandam atividades práticas terão prioridade na volta gradual do ensino presencial no campus; Comitê Unesp Covid-19 indica diretrizes para o retorno

PRUDENTE - CAIO GERVAZONI

Data 19/09/2021
Horário 06:25
Foto: Caio Gervazoni
Vice-diretor e diretor da FCT-Unesp, Aldo Eloizo Job (esq.) e Rogério Eduardo Garcia (dir.), falam sobre retorno das atividades presenciais no campus de Prudente
Vice-diretor e diretor da FCT-Unesp, Aldo Eloizo Job (esq.) e Rogério Eduardo Garcia (dir.), falam sobre retorno das atividades presenciais no campus de Prudente

A FCT/Unesp (Faculdade de Ciências e Tecnologia da Universidade Estadual Paulista), campus de Presidente Prudente, pretende retomar as atividades presenciais de alguns cursos e departamentos da faculdade ao longo deste semestre. Dividido em duas janelas, o retorno será gradual e, em um primeiro momento, deve contemplar os cursos de Engenharia Cartográfica, Química e Física. Desde meados do ano passado, a clínica e o curso de Fisioterapia retomaram as atividades presenciais. 
Para compreender como se dará o retorno presencial no campus de Prudente, a reportagem conversou com o diretor da unidade, Prof. Dr. Rogério Eduardo Garcia, o vice, Prof. Dr. Aldo Eloizo Job, e também com a presidente da Comissão Permanente de Ensino da FCT e coordenadora do curso de Matemática, Profª. Drª. Cristiane Nespoli.
De acordo com o dirigente titular da FCT/Unesp, Rogério Eduardo Garcia, os coordenadores dos cursos da Faculdade de Ciências e Tecnologia estão em processo de elaboração dos protocolos que serão seguidos por cada departamento. “A Fisioterapia já tem o [protocolo] dela. Então, já está funcionando, já estão trabalhando nisso. Vai fazer um ano que eles estão seguindo este protocolo. Mas os demais cursos, atualmente, estão fazendo o ajuste fino destes planos dos protocolos de retorno. Cada curso vai fazer de acordo com a própria demanda”, explica Rogério. 
O diretor do campus de Prudente assinala que, por meio da Comissão Permanente de Ensino da FCT, os cursos estão em alinhamento para definir as prioridades de retorno de cada departamento. “Os cursos estão conversando entre si para esta definição. Alguns cursos não voltarão de imediato. Aqueles que realmente precisam das aulas práticas para finalizar o curso, estes sim, vão começar primeiro”, expõe Rogério. Segundo o dirigente da FCT, “fora a Fisioterapia que já voltou há algum tempo, Engenharia Cartográfica, Química e Física serão os primeiros a voltar nesta janela. De 12 cursos, tem um que já voltou, que é Fisioterapia. E tem mais três que voltam agora e alguns que estão pensando e analisando como será feita esta volta”, pontua. 

Análise conjunta

A presidente da Comissão Permanente de Ensino da FCT, Cristiane Nespoli, que também é coordenadora do curso de Matemática, fala sobre o papel da comissão neste processo de retorno das atividades presenciais na FCT. “Ao mesmo tempo que os conselhos de cursos têm autonomia, eles estão inseridos dentro de um conjunto que tenho que articular e ver quais cursos precisam voltar neste primeiro momento de retomada”. Cristiane indica que, além da graduação, outros setores do ensino acadêmico também necessitam de um planejamento conjunto para a volta do presencial. “Nós também temos alunos de pós-doc, mestrado e doutorado que desenvolvem pesquisas em espaços físicos daqui de Prudente. Então, devemos fazer uma análise conjunta”, pontua. 
Segundo a presidente da Comissão Permanente, a Unesp não parou a parte acadêmica durante a pandemia e adotou o modelo de ensino emergencial remoto para que as atividades não cessassem ao longo da quarentena. “Desde março do ano passado já houve uma reorganização e a gente já começou a trabalhar de forma remota, em aulas síncronas, nos horários das aulas. A diferença é que ao invés de darmos aulas nas salas presencialmente, era através de videoconferência. Então, desde o ano passado, os cursos continuaram trabalhando com exceção destas disciplinas que exigem aula prática”. 
Para o retorno das atividades presenciais, Cristiane indica que os cursos que necessitam realizar trabalhos de campo e em laboratórios terão primazia na primeira janela de volta do presencial. “O curso de Química, que é um curso que fortemente isso comparece, o curso de Física, aulas em laboratório. A [Engenharia] Cartográfica também, eles fazem aquelas medições. Precisam fazer trabalho de campo. A própria Geografia. Então, agora, com esse protocolo de retorno, que tem toda uma regulamentação entorno disso, por meio do conselho estadual de educação e do governo do Estado, nós temos um número máximo que podemos trazer de alunos, que é 60%”. 

O vice-diretor do campus de Prudente, Aldo Eloizo Job, explica que os protocolos feitos pela Unesp ao longo da pandemia auxiliaram a FCT a manter a qualidade de vida dos alunos que residem na moradia estudantil, porém, o vice-diretor frisa que é necessário que todos os estudantes da instituição estejam vacinados para que a volta ao presencial seja feita com segurança. “A Unesp se saiu muito bem em relação a estes protocolos, foi uma das instituições que mais aprofundou neste estudo procurando dar qualidade de vida, alimentação e tudo mais. Não adianta a gente falar que vamos retomar as aulas, trazer os alunos de volta. Aqui nós temos o protocolo, mas nós temos muitos alunos fora daqui, que vêm de ônibus de outras cidades. Aqui a gente garante o protocolo. Mas, e lá fora? Então, nós temos que realmente esperar a vacinação para a idade destes estudantes, esperar o efeito, e a partir daí começar o retorno presencial. Mas não é fácil. Porque montar estrutura em um problema de pandemia é coisa que nós nunca passamos na vida, é coisa nova. Nós temos que garantir a saúde dos estudantes”, expõe Aldo. 

Comitê Unesp Covid-19

No fim de agosto deste ano, o Comitê Unesp Covid-19, que tem o objetivo de realizar o acompanhamento permanente da evolução do vírus na universidade, apresentou as diretrizes sobre a reorganização das atividades acadêmicas e administrativas da Unesp ao Conselho Universitário da instituição. De acordo com o documento, cada uma das 34 unidades da Unesp, distribuídas por 24 cidades do Estado de São Paulo, deve se organizar a partir de três critérios básicos para a retomada as atividades presenciais:

- Critério epidemiológico: o indicador de RT (ritmo de transmissão) da Covid-19 na cidade do campus deve ser menor que 1 em um período de 14 dias. A taxa RT é a principal referência para observar a propagação do vírus. Se o indicador estiver abaixo de 1, significa que a pandemia está sob controle. Quando a taxa é maior que 1, compreende-se que cada infectado transmite o vírus para mais de uma pessoa e a doença progride;
- Critério do sistema de saúde: também por um período de duas semanas, a taxa de ocupação dos leitos de UTI (Unidade de Tratamento Intensivo) do munícipio onde há unidade da Unesp deve ser menor que 60%;
- Critério de Vigilância Sanitária: neste termo, as unidades devem implantar estratégias de rastreamento de sintomáticos e testagem de assintomáticos.

A recente diretriz do Comitê Unesp Covid-19 também indica que professores, alunos e funcionários devem apresentar o esquema vacinal completo para poderem voltar às atividades presenciais.  

Veja também