Gabriel Boza é lesionado no Mundial e fica fora do pódio

Mesmo machucado, prudentino terminou o campeonato em 4º lugar, a 7 cm do bronze, que ficou com o jamaicano Kavian Kerr; colombiano Jhon Berrio ficou com a prata e o francês Konate com o ouro

Esportes - OSLAINE SILVA

Data 20/08/2021
Horário 21:23
Foto: Wagner Carmo / CBAt
No semblante, o esforço de dias, horas, minutos, milésimos de segundos de treinamentos sem fim
No semblante, o esforço de dias, horas, minutos, milésimos de segundos de treinamentos sem fim

Infelizmente o atleta prudentino Gabriel Luiz Boza se lesionou no quarto salto e ficou fora do pódio de Nairóbi, no Campeonato Mundial de Atletismo Sub-20, hoje, no Quênia. O atleta da Apa-SP/Semepp/Talento Olímpico de Presidente Prudente de apenas 18 anos, que é o 4º lugar no mundo no salto em distância, o melhor colocado do ranking mundial de toda a delegação brasileira que foi para esta competição, mesmo machucado ficou em 4º lugar, a 7 cm (centímetros) do terceiro.
O francês Erwan Konate ficou com tão sonhada medalha de ouro, com um salto de 8,12 m (metros). Logo de cara, no primeiro salto, o colombiano Jhon Berrio surpreendeu com um salto de 7m97, e foi com essa marca que ele garantiu a prata. Já o bronze acabou com o jamaicano Kavian Kerr, com a marca de 7,90m. Exatamente a melhor de Gabriel. Se não fosse a lesão do prudentino, ele provavelmente teria chances de trazer uma medalha para casa. O único salto válido de Gabriel foi o segundo de 7,83 m na segunda tentativa.
Segundo o professor e treinador da APA, Cremilson Julião Rodrigues, o Montanha, que também estava integrando a seleção de técnicos da CBAt (Confederação Brasileira de Atletismo), não deu dessa vez! “Embora estivesse muito bem preparado, motivado, mesmo que psicologicamente falando. O retrato da prova inicial nos mostrava um resultado final totalmente diferente do que aconteceu. Mas uma fatalidade ocorreu, ele sentiu no terceiro salto. Um salto até bom com uma queima de 1cm mais ou menos [a gente fala um dedo], foi só a ponta da sapatilha. Um salto que se tivesse sido marcado seria um pódio, mas não foi. E no quarto ele já veio no sacrifício e quando chegou na tábua ele já não aguentou e caiu na grama do outro lado com muita câimbra nas duas pernas, coisa que ele geralmente não sente”, explicou o professor Cremilson.
Cabeça erguida e sempre pé no chão, o treinador que é sempre um gigante, acalentou em seus braços seu prodígio, lembrando-lhe que mês que vem já tem compromisso agendado para a equipe em Bragança Paulista (SP) no Brasileiro Sub-23 nos dias 4 e 5.
“Agradecemos toda a torcida dos brasileiros e dos nossos amigos prudentinos que sabemos que nos enviaram boas energias. É bola pra frente. Vida de esportista é isso mesmo, ele saiu bastante chateado, frustrado que é normal, ganha uma e perde outra e assim vai. Voltamos sem medalha, mas o mais importante, voltamos graças a Deus sem nenhuma lesão grave”, agradece Montanha.

Cedida

O abraço consolador entre treinador e atleta, após a tristeza de uma prova que não como queriam

Veja também