Hino da França tem Letra Afiada 

Sandro Villar

O Espadachim, um cronista que recomenda calma, pois o Natal está próximo

CRÔNICA - Sandro Villar

Data 31/10/2020
Horário 05:30

Todo mundo sabe que o hino da França é um dos mais belos do mundo. É o antológico "A Marselhesa", composto durante a revolução francesa. O título é uma alusão à cidade de Marselha, reduto dos revolucionários.
Considerado subversivo, foi proibido por Napoleão Bonaparte e por um reizinho que não lembro o nome e nem quero lembrar. O hino conclamava o povo a pegar em armas para derrubar a monarquia. Às armas, cidadãos!, diz um dos versos
Mas, no Brasil, os cidadãos recorrem às armas para matar compatriotas pelos mais variados motivos, sem, digamos, conotação política. Não há nenhum grupo armado revolucionário no país, o que significa vida mansa para os donos do poder.
Quem quiser e estiver apto pode, a partir de agora, ter até quatro armas de fogo em casa ou no escritório, como estabelece o decreto do governo. Eu prefiro arma de água e, por falar nisso, ando armado até os dentes, o que me atrapalha muito na hora de comer.
Isso mesmo: armado até os dentes, mas alto lá! É que desde que me conheço por gente passei a andar armado de boas intenções dos pés à cabeça ou vice-versa. 
Boas intenções são ótimas armas que a Taurus não fabrica. Por falar nisso, os donos e os acionistas da Taurus estão rindo de orelha a orelha, pois nunca venderam tantas armas como agora.
Que eu saiba, metralhadoras, fuzis e outras armas potentes ainda não são comercializadas. Revólveres, pistolas e espingardas podem ser comprados legalmente em todo o país, que tem mais de 600 clubes de tiro ao Álvaro, diria Adoniran Barbosa. 
Bom lembrar: o Brasil é o campeão mundial de homicídios, com mais de 60 mil pessoas assassinadas por ano, sendo 70% por bala, como bem lembrou O Globo em editorial.
Palpites não faltaram depois que o decreto foi assinado. Uma das manifestações mais "bacaninhas" foi daquele rapaz que tem nome de antílope africano e sobrenome de chuveiro. Na opinião dele, o liquidificador pode ser tão mortal como uma arma para uma criança, se ela enfiar o dedinho dentro do liquidificador. Então tá, cara pálida. Conta aquela do papagaio fanho.
Convém lembrar que, de 2006 a 2016, quase 7 mil crianças, entre bebês e adolescentes de até 14 anos, morreram baleadas no nosso amado Brasil varonil. Elas foram vítimas, principalmente, de balas perdidas e de disparos acidentais dentro de casa. 
Com a nova ordem em vigor, certamente vão aparecer classificados e placas anunciando a venda de armas. Vende-se 38 cano longo. Vende-se pistola do 007. Vende-se espingarda. Garrucha eu não sei se tem para vender ou para pronta entrega. 
Onde impera o crime organizado, não seria surpresa a colocação de placas, principalmente nas favelas, oferecendo metralhadora e fuzil AK-47, num ato abusado e de confronto com as "otoridades". 
Pois é, parece que entramos na era do "armai-vos uns contra os outros", contrariando o que pregava Jesus Cristo. Ah, sim: se você tem uma rixa com seu vizinho - e quer resolver tudo à bala - acrescento que o decreto não prevê duelo nem de titãs, nem de anões. 

DROPS

Se o Red Bull te dá asas por que gastar dinheiro com passagem de avião?

Trair e coçar dão encrenca e ferida cutânea.

Além de bolacha, biscoito também é a repetição do ato sexual.

Era tão viciado em maconha que fumava até baseado em fatos reais.
 

Veja também