Hoje é o Dia do Folclore

JOSÉ COSTA

CRÔNICA - JOSÉ COSTA

Data 22/08/2021
Horário 06:07

Embora seja hoje o Dia do Folclore a nível nacional, instituído pelo Decreto Federal n° 56.747, e agosto o Mês do Folclore em São Paulo, pelo Decreto Estadual n° 48.310, a verdade é uma só, conforme sempre assegurou o professor Rossini Tavares de Lima, então diretor e professor da Escola de Folclore que, ”todos os dias, são a ele dedicados”.
Na realidade, o folclore está no dia a dia das pessoas e, assim então, no de cada povo. Poderemos definir a grosso modo de que “folclore é a expressão popular da cultura de um povo”, o que não se pode apenas a se ater nas definições tanto comum, de que folclore é o Saci-Pererê, a Mula sem Cabeça, etc, quando isso são fatos folclóricos e que não se generalizam no contexto de uma definição clara. O assunto é amplo e realmente não se concebe abranger a tudo num pequeno texto ou apenas num dia ou mês.
Cada povo tem sua maneira de ser, de falar, de agir e, enfim de se entender, sendo isso um aprendizado que vem do seio da família ou do grupo. Esta por sua vez, já se expande na comunidade, tornado assim, uma prática quase natural. Para se fazer uma coisa, cada povo pode ter uma maneira de agir completamente diferente dos demais, mas com o resultado sendo sempre o mesmo. Podemos observar muito bem que os usos e costumes na nossa própria região sempre mostram diversificações, pois cada comunidade tem o seu jeito de se mostrar naturalmente.
Nessas diferenciações de como fazer, é que podemos detectar um fato folclórico e tomando a região de Presidente Prudente, essas diferenciações podem ser observadas de município para município. Existem sim, generalizações de como fazer ou se proceder em determinada situação, mas que podem ser de um jeito aqui e diferente acolá. Até mesmo podem ser marcados dentre inúmeros exemplos o Caipirapuru, as ornamentações nas festas de Corpus Christi, as folias de reis, as procissões e outras manifestações...
Mas na forma de se expressar ou de se fazer, a oralidade ou outras formas de agir, podem se diferenciar de uma região para outra, ou de se dizer que existam algumas dessemelhanças, por exemplo, entre Rosana e Osvaldo Cruz. O sotaque por vezes acaba sendo a identidade das comunidades das mais diferentes partes do país, o que pode se observar, entre o sul, norte e centro do Brasil. Todos podem fazer e falar, respeitando suas formas de se expressar com seus sotaques, mas nunca deixará de ser um Brasil como todo.
As tradições geralmente colocadas como definições para se exemplificar o folclore, em todo o planeta passam de pai para filho e todos têm o dever de fortalecer essa cultura. Cada qual tem o seu compromisso e até mesmo constitucional como no Brasil, quando o Estado pela Constituição Federal “garantirá a todos o pleno exercício dos direitos culturais e acesso às fontes da cultura nacional, e apoiará e incentivará a valorização e a difusão das manifestações culturais”.
Certa vez, num curso de capacitação da Secretaria de Educação do Estado, falava sobre as manifestações dos personagens da nossa cultura, quando um dos participantes, uma professora, pediu mais detalhes sobre o halloween. Assegurei que respeitaria a sua colocação, mas eu teria mais detalhes e compromissos sobre o Saci, Mula sem Cabeça, Lobisomem, assombrações e outros, pois esses personagens, sim, devem ser citados e propagados como elementos da nossa cultura. 
O halloween surgiu na Irlanda em l745 enquanto que os nossos foram criados entre escravos, índios, matutos e outros... O Dia da Bruxa foi apenas aderido no Brasil recentemente, ao contrário da literatura de cordel que trazida pelos conquistadores acabou se fixando e se integrando a nossa cultura. Houve uma razão para se torná-la brasileira.
As expressões artísticas, literárias em prosas e versos do Brasil, são de uma riqueza tamanha que parecem até terem nascido em berços pobres, pois são muitos os contadores de causos, ou cordelistas que não têm grande cultura, mas sim, muitos conhecimentos.
O folclore a gente sente a todo instante, pois cada pessoa carrega consigo a sua formação cultural que vai sendo absolvida e propagada, até mesmo inconscientemente a todo instante.
 

Veja também