INTERIOR REAGE À CRISE

Contexto Paulista

COLUNA - Contexto Paulista

Data 27/06/2020
Horário 10:57

A Secretaria da Fazenda e Planejamento do Estado calcula o momento certo de anunciar a retomada do crescimento econômico do Estado, logo após o período pós-pandemia. O desempenho positivo do agronegócio, somado à confirmação de investimentos empresariais no interior paulista em plena crise da Covid-19, justificam segundo o secretário Henrique Meirelles, a perspectiva de que a economia paulista segue fortalecida no cenário nacional. Exemplo desse otimismo é a notícia publicada pela “Veja”, segundo a qual o governo estadual planeja retomar viagens ao exterior em busca de financiamento para projetos no Estado. Já estão agendadas visitas à Alemanha e aos Emirados Árabes, que terão escritórios de representação, a exemplo da China.

 Mogi das Cruzes: empregos
Nos próximos meses, a empresa Ponsse deverá gerar até 250 novos empregos, inclusive para trabalhadores com alta formação, na unidade de Mogi das Cruzes, segundo informa “O Diário de Mogi”, da Rede APJ. "A confirmação das novas operações da Ponsse é uma ótima notícia, que trará mais empregos à população e renda à cidade", diz o prefeito Marcus Melo. A Ponsse é uma empresa de origem finlandesa, pioneira e líder mundial na fabricação de equipamentos de colheita florestal com o sistema Cut-to-Lenght, o mais ecológico da atualidade. Está em Mogi desde 2006.

Mais investimentos
Com as novas operações no município, a Ponsse irá produzir e montar equipamentos que serão utilizados na extração de eucaliptos por uma empresa no interior do Estado que produz celulose solúvel. O produto é utilizado em vários ramos da indústria, desde a têxtil, lenços umedecidos, armações de óculos e até sorvetes. "Mesmo com todas as dificuldades econômicas que o mundo vem enfrentando por causa da crise causada pelo novo coronavírus, o setor produtivo e a Prefeitura continuam trabalhando para trazer novos investimentos a Mogi das Cruzes", destacou ainda o prefeito.

São José dos Campos: crédito a lojistas
O Shopping Jardim Oriente e sua administradora AD Shopping firmaram uma parceria com o Banco Inter para disponibilizar uma linha de crédito de R$ 300 milhões, com juros a partir de 1% ao mês, prazo mais longo e pagamento facilitado, para pequenos e médios varejistas locais. O auxílio estará disponível para os mais de 150 lojistas do centro de compras. A informação é do jornal “O Vale”, da Rede APJ.

Jundiaí: investimento
A STIHL Ferramentas Motorizadas inaugurou um novo CD (Centro de Distribuição) em Jundiaí. Entre os principais objetivos para a movimentação está a redução de tempo nas entregas de produtos para as regiões atendidas. A obra do empreendimento durou 11 meses e estruturou um armazém logístico de 8 mil m² (metros quadrados). O investimento total é de R$ 14 milhões em instalações, equipamentos e software.

Em busca de mercados
A empresa Pozelli Alimentos, produtora de pão de queijo, chipa e cookies, investiu R$ 6 milhões na expansão da sua fábrica em Hortolândia. Para o presidente da agência InvestSP, Wilson Mello, a empresa está num caminho promissor, que pode ser a alternativa para muitas fábricas paulistas. "O setor de alimentos é um ramo muito importante da economia paulista. Temos potencial para conquistar diversos mercados internacionais, agregando valor à nossa produção agrícola. Podemos gerar novos empregos e fazer com que a economia cresça junto com as empresas".

Campinas agora é metrópole oficialmente
Campinas, no interior paulista, passou à condição de metrópole, segundo a pesquisa Regic (Regiões de Influência das Cidades), com base em dados de 2018, divulgados pelo IBGE (Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística) nesta semana. O status de metrópole é compartilhado oficialmente com São Paulo, Brasília, Rio de Janeiro, Belém, Belo Horizonte, Curitiba, Fortaleza, Goiânia, Porto Alegre, Recife, Salvador, Manaus, Florianópolis e Vitória, todas elas capitais. Com isso, São Paulo se tornou a primeira unidade da federação a ter duas metrópoles. Para o IBGE, Campinas atingiu o nível de metrópole por ter elevado o número de empresas e instituições públicas, atraindo contingentes populacionais muito significativos de outras cidades para acessarem bens e serviços.

Dinamismo empresarial
Segundo o IBGE, Campinas é a única metrópole que não é capital estadual, e isso ocorre devido ao alto dinamismo empresarial existente tanto no núcleo quanto na área de influência, bem como ao porte demográfico, cuja rede composta por 34 cidades ultrapassa os 4 milhões de habitantes. O gerente de Redes e Fluxos Geográficos do IBGE, Bruno Hidalgo, lembra que Campinas é um polo tecnológico e logístico relevante, cortada por rodovias importantes, com uma das principais universidades brasileiras, a Unicamp (Universidade Estadual de Campinas). O PIB (Produto Interno Bruto) regional é de R$ 214,9 bilhões e o PIB per capita é de R$ 48.902,34, o maior do país. Fazem parte desta rede diversos polos econômicos importantes, entre eles os de Americana e Rio Claro, além da proximidade com Jundiaí, Piracicaba e a região metropolitana de Sorocaba. 

Veja também