Publicidade

JOÃO BARBOSA “CHOCÔ”: FINA ESTIRPE

Mesmo com as agruras da vida de extrema pobreza, seguiu a vida com postura altiva, se fez um profissional admirado e é também conhecido como pai do cantor Thiaguinho

PRUDENTE - HOMERO FERREIRA

Data 10/05/2020
Horário 08:35
Arquivo pessoal - Posse de Chocô como membro do Conselho Regional de Educação Física Foto: Arquivo pessoal - Posse de Chocô como membro do Conselho Regional de Educação Física

Mesmo tendo a infância de extrema pobreza, não deixou de ser criança feliz. As dificuldades persistiram na adolescência, mas não impediram de ser bom menino. Na juventude correu atrás dos sonhos e quando adulto manteve a fina estirpe de suas raízes: as mais próximas e as distantes. Tem em seu perfil a precaução do mineiro e a determinação do alagoano, respectivamente de seus avós paternos e maternos. Tem nos seus ancestrais Zumbi dos Palmares, o símbolo brasileiro da resistência e luta contra a escravidão no período colonial.

Educador, gestor, comunicador, desportista, festeiro, apaixonado pela família, dedicado ao trabalho e temente a Deus, João Antônio Barbosa da Silva “Chocô” é um prudentino que rompeu fronteiras para contribuir com o desenvolvimento do Mato Grosso do Sul. Está radicado em Ponta Porã, na divisa com Pedro Juan Cabalero, no Paraguai, desde o começo dos anos 1980. O professor João Barbosa ou jornalista J.Barbosa ou simplesmente Chocô, ampliou sua visibilidade ao ser referenciado como pai do cantor e compositor Thiaguinho.

Nasceu em junho de 1957, na Santa Casa de Misericórdia de Presidente Prudente, quando seus pais moravam numa casinha alugada na Rua Álvares Machado, na Vila Euclides. Sebastião Barbosa era agricultor, no bairro Caravina, e passou a ser pedreiro quando veio para a cidade. Aurora da Silva Barbosa era trabalhadora doméstica da família de japoneses dona do Restaurante Shoyama, depois foi lavadeira. Ela, filha de Maria. Ele, congregado mariano. Assim se conheceram e se casaram em maio de 1956 na Catedral de São Sebastião.

Os avós paternos eram mineiros e pioneiros de Prudente: Faustino Barbosa e Bárbara Barbosa, nomes de ruas. Os avós maternos eram alagoanos de União dos Palmares, Cândido Alves da Silva e Virgilina da Silva, a dona Cotinha; ambos de origem quilombola. Nascidos em Prudente, Sebastião e Aurora tiveram 11 filhos, dos quais oito natimortos, pois a hipertensão impedia que a gravidez fosse até o final. Sobreviveram o primogênito João Antônio (dois nomes de santos), Maria Aparecida e Marcelo do Carmo: o caçula, atualmente com 45 anos.

CASA SEM BANHEIRO

E OS DONATIVOS

A infância de Chocô foi na Rua Desbravador Ceará esquina com 12 de Outubro. Moravam em casebre de madeira, de dois cômodos, sem cerca e banheiro, nem para as necessidades fisiológicas. Tomavam banho na cozinha. Os dejetos eram jogados na galeria do antigo buracão do Bacarin. Época em que Sebastião teve grave problema de úlcera; operado e internado na santa casa. Aurora e os dois filhos viveram de donativos e da roupa que lavava.

Quando adolescente e jovem, moraram em casas de fundos cedidas por parentes, na esquina das ruas 15 de Novembro e São Sebastião; e na Rua Botucatu, atual José Alfredo da Silva. As respectivas referências eram o bar da dona Nina e a escola Navio. Seu último endereço em Prudente foi na Rua Claudionor Sandoval, na casa que seus pais ganharam de um empresário. Chocô sempre estudou e trabalhou. Foi babá das primas, filhas de policial e professora. Trabalhava pela roupa, calçado, comida e o dinheiro de final de semana para comer pastel e tomar grapette, depois da missa. Outra atividade inicial foi a de entregador de marmitas.

Estudou o primeiro ano no Navio e completou os quatro anos do primário no Colégio Cristo Rei, com bolsas que as freiras deram para ele e sua irmã, por conta das atividades religiosas do pai como ministro da eucaristia. A base sólida da alfabetização foi e é muito importante para a sua vida, sendo que no colégio fez a primeira comunhão e depois foi coroinha na Catedral. Fez o ginasial na Escola Arruda Mello e o colegial no IE (Instituto Educacional), locais nos quais atuou como líder ao ser eleito presidente do centro cívico e na implantação do Interact: clube de serviços voluntários prestados por jovens, patrocinado pelo Rotary Club.

Bom de bola, foi dente-de-leite do São Jorge, América do Jardim Paulista e Presidente Prudente, do Jardim Aviação, pelo qual foi campeão e artilheiro. Mal saiu do juvenil, foi profissional do Corintinha, mas diante da triste realidade do clube em uma época que faltou comida para os jogadores, voltou para o amador e jogou na Bernardense e no time da empresa Caiuá, sendo convocado para compor a seleção amadora de Prudente, campeã dos Jogos Regionais em Tupã. Também jogou em importantes equipes de futebol de salão.

Trabalhou nos Correios como entregador de telegramas, onde o telegrafista José de Mello Brito, que também era radialista, o levou para a Rádio Piratininga, onde fez transmissões esportivas e programas de entretenimento. Em Prudente era o comunicador João Barbosa que também atuou na Comercial e Difusora. Em Ponta Porã era J. Barbosa, durante o tempo de militância na imprensa, paralelamente à atividade acadêmica, na condição de professor de educação física formado pelo Imespp (Instituto Municipal de Ensino Superior de Presidente Prudente), que foi encampado pela Unesp (Universidade Estadual de São Paulo). Também é especialista em didática e mestre em educação.

CASAMENTO DE

QUASE 40 ANOS

Foi no Imespp que conheceu Gloria Maria, de Pirapozinho, ingressante do curso de Educação Física, eleita Bonequinha de Café, representando a instituição. Se casaram em janeiro de 1982, sendo que Chocô já estava trabalhando no ensino público sul-mato-grossense. Ela também trabalhou lá como professora. Tiveram dois filhos: Thiago André Barbosa e Ellen Caroline Barbosa. Thiaguinho começou a fazer Jornalismo na Unoeste (Universidade do Oeste Paulista), mas foi para o Fama, entrou no Exaltasamba e seguiu a carreira musical. Ellen fez Publicidade e trabalha na produção do irmão.

A família está em São Paulo e Chocô fica um pouco lá e outro em Ponta Porã, onde já foi secretário da Educação, coordenou campanhas políticas, apresentou showmícios como nomes consagrados como Zezé de Camargo e Luciano. Aposentado pelo Estado, atualmente é professor e coordenador do curso de Educação Física das Faculdades Magsul.

Junto com Gloria Maria atuam como conselheiros dos filhos, no papel de pais. Mas, por serem pais de famoso, em determinados lugares são tratados como se fossem artistas também. Veem os filhos como profissionais que estão dando certo, sendo respeitados com naturalidade. Embora Thiaguinho seja um artista de primeira grandeza, não há ostentação. Chocô acha que ele é muito parecido com o avô Sebastião, no bom trato com as pessoas. Sobre Prudente, manifesta o seu encantamento, por ser uma cidade bela e bem cuidada. Tem vindo a Prudente. Lê O Imparcial todos os dias. Tem Prudente como seu espaço geográfico de grande amor, por ser a terra onde nasceu, cresceu e se formou.

Fotos: Arquivo pessoal

Chocô com Gloria Maria esperando o primeiro filho

Chocô com os filhos quando ainda eram crianças

Chocô entre os país Sebastião e Aurora, com o filho Thiaguinho

Chocô entre os irmãos Maria Aparecida e Marcelo do Carmo

Veja também