Lamentável: Nem a pandemia para tráfico de entorpecentes

EDITORIAL - Da Redação

Data 25/06/2020
Horário 04:00

Lamentavelmente, mesmo durante o período de isolamento social decretado por conta da pandemia da Covid-19, causada pelo novo coronavírus, se tem um “comércio” que ao invés de parar parece ter acelerado a sua movimentação, é o tráfico de drogas. Só nesta semana já foram duas ocorrências com destaque no meio universitário, de Presidente Prudente. Maconha, crack, cocaína, balança de precisão, maquininha de cartão e até entrega delivery! E aí você observa a idade tanto de um lado, quanto do outro. Ou seja, traficante e usuário. Na maioria das vezes são jovens. Em alguns (muitos) casos, “crianças”.

Para uma mãe que carregou nove meses em seu ventre, deu seu seio para alimentar quando ele (a) chorava, enquanto o pai estava no trabalho para ganhar o dinheirinho suado, mas honesto, para por o alimento na mesa, pagar um aluguel, água, luz... ver um filho sendo preso por uma coisa dessas, a sensação deve ser a mesma (imaginamos) que estar num leito de morte.

Mas, se de um lado estão os que escolheram a ilegalidade, o meio “mais fácil” (segundo eles acreditam) de se ganhar dinheiro, do outro estão àqueles que foram preparados para coibir, combater esse tipo de “negócio”. Este veículo trouxe em seu site, a notícia de que a Deic-8 (Divisão Especializada de Investigações Criminais), por meio da 2ª Dise (Delegacia de Investigações Sobre Entorpecentes), realizou na noite de terça-feira mais uma prisão em flagrante por tráfico de drogas nas imediações de uma universidade do município.

Infelizmente, esta é uma realidade na cidade considerada um dos grandes centros de formação superior do interior do Estado de São Paulo. O que será que falta na vida destes jovens usuários? E na vida destes traficantes?

Muitas vezes se ouve dizer que não tiveram estrutura familiar. Que não receberam educação, nem direcionamento religioso dos pais. Que são pobres, moram em casebres... mas, como explicar então quando nada disso falta? Pelo contrário...

 

 

Publicidade
eixosp

Veja também