Longe de casa, atleta busca índice olímpico

Esportes - Jean Ramalho

Data 29/04/2016
Horário 09:11
Seja nas pistas ou na vida, a especialidade de Liliane Cristina Barbosa Fernandes sempre foi a de superar barreiras. Nascida em Presidente Prudente, a atleta defende atualmente um dos clubes mais tradicionais do país, o Esporte Clube Pinheiros, de São Paulo (SP). Contudo, para chegar aonde chegou, a prudentina conta que teve que atravessar muitos obstáculos, entre lesões, derrotas e a distância da família. Mas ressalta, que todos os empecilhos lhe serviram de trampolim, para que ela pudesse alcançar a excelência.

Jornal O Imparcial Liliane Barbosa, que defende o Esporte Clube Pinheiros, treina pela vaga nos 400 m com barreira

"Sempre foi tudo muito difícil. Comecei em Prudente em 2004, com o professor Inaldo Senna. Logo depois fui treinar em São Paulo, mas logo tive que retornar, pois engravidei. Depois da minha gravidez comecei a treinar com o Sanderlei Parrela, em 2008. E só então consegui alavancar minha carreira. Não foi fácil, como dizem, a gente tem que matar um leão por dia", comenta Liliane Barbosa.

Especialista nos 400 e 400 metros com barreira, a atleta diz que tirou das pistas a inspiração para atravessar os contratempos da vida, principalmente as lesões e a distância da família, que ainda mora em Prudente. "Não é fácil morar longe de quem a gente ama. Aí vem as lesões e os desafios e nos deixa mais pra baixo. Mas o atletismo me impulsiona a buscar sempre mais e, literalmente, correr atrás dos meus objetivos", relata.

Mas não apenas de dificuldades é composto o estimulo da atleta prudentina. Nascida em um celeiro de grandes atletas, Liliane Barbosa diz que começou sua carreira por influência de André Domingos e Claudinei Quirino, medalhistas de prata na Olimpíada de Sidney, em 2000, na Austrália, pelo revezamento 4x100 m. "Comecei justamente por conta dos dois, do Claudinei e do André. Por vê-los correndo. Como eu era muito curiosa, um dia fui ver um treino de um amigo que na época era atleta e de lá pra cá não deixei mais as pistas. São meu espelho", garante.

 

Foco olímpico


Se no passado as dificuldades fizeram parte da rotina da atleta, no presente a história não é diferente. Após um 2015 turbulento, em virtude de uma lesão no menisco, a atleta afirma que vem treinando forte desde meados de outubro do ano passado, visando exclusivamente o índice para os Jogos Olímpicos do Rio de Janeiro. "2015 foi um ano muito difícil pra mim como atleta. Mas as minhas expectativas são ótimas, estou bem motivada. Nesse ano comecei um trabalho fora da pista, na questão psicológica, mas espero atingir os índices para as olimpíadas", relata.

Para isso, Liliane Barbosa diz que a rotina de treinos é maçante, mas espera colher os frutos de seu esforço no máximo até este mês. "Nós programamos correr a marca do índice em abril", salienta a prudentina, que atualmente ocupa o quinto lugar no ranking nacional dos 400 com barreiras, com 58s44, e a sexta colocação nos 400 livres, com 53s69, pela CBAt (Confederação Brasileira de Atletismo).

Veja também