Publicidade

MAIS TEMPO SUSPENSA

REGIÃO - HOMERO FERREIRA

Data 23/06/2020
Horário 05:14

Na sessão ordinária de ontem à tarde da Câmara Municipal foi maior o tempo de reunião em sala fechada que os dos trabalhos em plenário. Os vereadores estiveram tratando de dois assuntos distintos.

SECRETÁRIO E SINDICATO
Os vereadores receberam o secretário municipal de finanças, José Nivaldo Luchetti para falar sobre o projeto Pague Já e representes do Sindicado dos Servidores para solicitar rejeição ao projeto de redução de valor de pagamento de precatórios aos trabalhadores.

SUSPENSÃO DO RECESSO
Aprovado projeto de resolução, de autoria da mesa diretora da Câmara, autorizando a realização de sessões remotas e alteração ou suspensão do recesso parlamentar em casos de calamidade pública.

PROJETOS DE URGÊNCIA
Para a segunda secretária da mesa-diretora, vereadora Alba Lucena (DEM), a suspensão do recesso é importante para poder tratar de projetos de urgência, visando ajudar o momento de dificuldades impostas pela quarentena.

POR UNANIMIDADE
O projeto da mesa-diretora foi aprovado por unanimidade pelos 12 vereadores presentes, considerando que esteve ausente José Tabosa (MDB), com justificativa sustentada em atestado médico.

FALTA DE EXPERIÊNCIA
A vereadora Alba Lucena, ao se pronunciar sobre a necessidade urgente da compra de sedativos para intubar pacientes em Prudente e várias regiões do Brasil, lamentou que o ministro interino da Saúde, general Eduardo Pazuello, não tenha experiência na área.

SUBIU PARA 90%
Valor de repasse sobre a venda do cartão da Zona Azul, da Prefeitura para a Casa do Aprendiz Cidadão, passa a ser de 90%. Nesse sentido, projeto de iniciativa do prefeito Nelson Bugalho (PSDB) foi aprovado na sessão de ontem. Antes, era 80%.

NO HORÁRIO DA TARDE
Ao final da sessão ordinária de ontem, o presidente da Câmara Municipal, Demerson Dias (PSB) anunciou que a próxima, na segunda-feira (29), será mantida no mesmo horário das 14h.

SEM COLIGAÇÕES
Nas eleições municipais deste ano, não será mais permitida a formação de coligações para o cargo de vereador. As coligações consistem na união de diferentes partidos para disputar o pleito.

O QUE DIZ A LEI
A novidade foi trazida pela Emenda Constitucional nº 97, de 4 de outubro de 2017, que passou a proibir a celebração de coligações nas eleições proporcionais, que abrangem os cargos de deputado estadual, federal e distrital, além de vereadores.

OS MAJORITÁRIOS
Para os cargos majoritários, que são os de prefeito, senador, governador e presidente da República, continua sendo possível a formação de coligações. Candidatos a vereador somente poderão participar em chapa única dentro do partido.

TRABALHO ENALTECIDO
Moção de aplausos é aprovada pela Câmara ao secretário municipal do Meio Ambiente, Wilson Portella, considerando os bons serviços prestados. A iniciativa foi da vereadora Elza do Gás (PSDB).

Veja também