Mesatenistas de Prudente competem no Brasileiro Interclubes no Rio

Atletas do Clube Oeste foram em busca de medalhas e de entrar no Absoluto A, categoria mais forte do campeonato; evento começou domingo e segue até o dia 13

Esportes - OSLAINE SILVA

Data 08/12/2020
Horário 06:15
Foto: Cedida
Guilherme e Carlão são os dois atletas prudentinos do Clube Oeste, na competição
Guilherme e Carlão são os dois atletas prudentinos do Clube Oeste, na competição

A equipe de tênis de mesa Clube Oeste/Semepp/Cabonnet/Liane/Sr. Gourmet/Nossa Frota/GA Uniformes embarcou no sábado para o Campeonato Brasileiro de Tênis de Mesa Interclubes 2020, no Rio de Janeiro, que teve início no domingo e segue até o dia 13 de dezembro. Dois atletas estão lá em busca de medalhas e de entrar no Absoluto A, categoria mais forte do campeonato. Trata-se do estudante Guilherme Cesar Ferreira Furtado, que irá disputar as categorias Juventude e Absoluto B, e Carlos Eduardo de Oliveira Porto, 50 anos, que competirá na categoria Veterano 50. Além do técnico da equipe, Gilberto Henrique Branco Lopes, o Giba, que vai nesta competição para compor a arbitragem, uma vez que agora ele faz parte do quadro de arbitragem da ITTF (Internacional Table Tennis Federation /Federação Internacional de Tênis de Mesa).
O jovem Guilherme, que participou de um campeonato oficial apenas antes da pandemia, diz que treinou bastante e quando possível cuidou da parte física, para não sofrer alguma lesão. Além disso, focou na parte emocional, porque no tênis de mesa - por ser um esporte de muita sensibilidade e concentração - isso conta muito, ainda mais com a pandemia.  
“Penso que seja essencial acreditar que é possível realizar os nossos objetivos. Espero chegar ao pódio, mas a competição será extremamente difícil. Então, mais do que isso, o importante é jogar bem e tentar dar o meu melhor. Penso que o resultado vem como consequência disso”, menciona o estudante mesatenista, que pratica a modalidade há 9 anos, quando começou por brincadeira por influência de um amigo que jogava, mas depois passou a treinar mais e tomou gosto por competir também.

Um veterano no esporte

Carlão começou a praticar tênis de mesa com 13 anos, em Araraquara, sua cidade natal. Jogou até seus 22 anos. Depois, por conta de uma lesão no joelho, estudos e trabalho, ficou 20 anos sem praticar “Voltei no final de 2012, quando já estava morando em Presidente Prudente. Escolhi o tênis de mesa por ser um esporte que desenvolve muito a resistência física e mental. É um esporte onde se trabalha muito a mente, é muito estratégico”, revela Carlão.
Para esta competição, o mesatenista confessa que por conta da pandemia, a preparação não foi a ideal. Ficaram vários meses com o clube fechado. Mas, dentro desta realidade, acredita que conseguiu se preparar razoavelmente para esse torneio. 
“Espero conseguir jogar bem. Falar em resultado é um pouco complicado, pois nesse ano mudei de categoria e esse campeonato será o primeiro torneio que disputarei nela e, por isso, não conheço muito bem meus adversários”, expõe Carlão.

Segurança redobrada

Giba conta que a arbitragem está sendo muito diferente do habitual devido às normas de segurança contra a Covid-19. Uso de máscara obrigatório, árbitros devem usar luvas, a cada seis pontos de jogo é feita higienização, limpeza de mesas a cada sete pontos, os atletas não podem virar o lado, espaçamento maior entre as mesas. Praticamente não existe contato com os mesatenistas. 
“Enfim, os procedimentos estão bastante rigorosos diante das necessidades. O número de jogadores foi reduzido de 1.890 no ano passado para 750. Está sendo novidade para todos nós. Mas, estamos nos readaptando e está dando tudo certo, graças a Deus”, afirma o técnico e árbitro.


 

Veja também