Monte Castelo e Prudente deixam de prestar informações sobre vacinação ao TCE

No oeste paulista, 10 cidades foram notificadas pelo tribunal, que havia dado o prazo de 5 de fevereiro para devolutiva

PRUDENTE - GABRIEL BUOSI

Data 18/02/2021
Horário 14:08
Foto: Marcos Sanches
Órgão pede informações sobre medidas para evitar possíveis irregularidades e dados a respeito do cadastro dos grupos prioritários
Órgão pede informações sobre medidas para evitar possíveis irregularidades e dados a respeito do cadastro dos grupos prioritários

O TCE (Tribunal de Contas do Estado) notificou 10 cidades da região de Presidente Prudente para prestar informações sobre as campanhas de imunização contra a Covid-19, sendo que duas cidades, Monte Castelo e Presidente Prudente, não responderam às perguntas do tribunal dentro do prazo estipulado, que era 5 de fevereiro, o que pode fazer com que as administrações sofram sanções previstas pela Corte de Contas. 

No oeste paulista, tiveram que prestar esclarecimentos os municípios de Emilianópolis, Euclides da Cunha Paulista, Mirante do Paranapanema, Monte Castelo, Ouro Verde, Presidente Bernardes, Presidente Prudente, Taciba, Tarabai e Tupi Paulista. Fora as duas cidades mencionadas, todas as demais deram o devido retorno dentro do prazo. 

De acordo com o TCE, ao todo, 106 cidades do Estado foram notificadas para prestar informações em relação à vacinação, de forma que o documento contava com nove tópicos de perguntas, bem como o pedido de explicações sobre as medidas adotadas para impedir possíveis irregularidades, tanto na distribuição quanto na aplicação das vacinas; e dados a respeito do cadastro dos profissionais que atuam na linha de frente e dos grupos prioritários para o recebimento das doses.

“No rol de perguntas, também consta a solicitação de informações acerca dos métodos para o controle das pessoas já imunizadas, incluindo o cronograma para aplicação da segunda dose; e detalhes sobre as campanhas de vacinação”, apontou o tribunal.

Enviou resposta

Procurada, a Prefeitura de Monte Castelo esclareceu que, em razão do agravamento dos casos de Covid-19 em sua microrregião, com a lotação quase que total dos hospitais de referência do SUS (Dracena e Tupi Paulista), "a Diretoria Municipal de Saúde estava empenhada na adoção de medidas de enfrentamento à doença, razão pela qual houve a resposta daquele setor somente em 16 de fevereiro, data em que a Procuradoria Jurídica do Município protocolou ofício do prefeito respondendo a todos os questionamentos, bem como juntando a documentação comprobatória das alegações". "Portanto, a situação foi sanada", completou.

Notificada hoje

Consultada, a Prefeitura de Presidente Prudente, por meio da Sesau (Secretaria Municipal de Saúde), informou que a referida notificação chegou apenas hoje à pasta e deverá ser respondida até esta sexta-feira.

Veja também