Mulher é morta a facadas

Após discussão com o parceiro durante a madrugada de ontem, em Presidente Epitácio, vítima foi atingida por dois golpes, socorrida ao pronto-socorro, mas não resistiu aos ferimentos

REGIÃO - VICTOR RODRIGUES

Data 26/11/2016
Horário 09:29
 

Uma mulher de 40 anos foi morta a facadas, na madrugada de ontem, em sua residência na Vila Santa Rosa, em Presidente Epitácio. O principal suspeito é o seu parceiro, que tem a mesma idade. De acordo com o delegado Daniel Aparecido Viudes, que acompanha o caso, o crime ocorreu por volta das 3h30. Segundo relatos do filho da vítima, de 16 anos, a mãe havia saído e retornou por volta da meia-noite. Ainda de acordo com o menor, neste momento ela teve uma conversa com seu padrasto, e ele saiu, por volta das 3h.

Em poucos minutos o homem retornou, chamou a mulher para frente da casa, conversaram mais um pouco, quando então ele desferiu dois golpes de faca contra a vítima, um na região do tórax e outro no braço esquerdo. "O adolescente, que estava dormindo, ouviu quando o padrasto chamou por sua mãe, e por achar estranha a conversa do casal em frente à casa naquele horário, foi verificar o que ocorria. Mas quando chegou, se deparou com ela sangrando no chão, e o rapaz montado na bicicleta já para fugir", detalha o delegado.

O jovem acionou socorro e vítima foi encaminhada pela viatura do Corpo de Bombeiros ao hospital da cidade, mas não resistiu aos ferimentos e faleceu às 5h15.

As polícias Militar e Civil realizaram diligências pela cidade para localizar o acusado, mas até o final da tarde desta sexta-feira ele não havia sido encontrado. O delegado instaurou inquérito policial e já pediu a prisão temporária do homem à Justiça.

O denunciado possui antecedentes criminais por roubo, furto e agressão registrada em uma cidade do Mato Grosso do Sul. Ele também é usuário de drogas e já esteve detido. "Ele ganhou liberdade do sistema prisional em julho de 2012. Continuamos com as investigações", relata o delegado.

Já o adolescente, filho da vítima, não possui nenhum familiar para ampará-lo, e o caso foi encaminhado ao Conselho Tutelar do município.

 

Veja também