Publicidade

NOVA TENTATIVA FRUSTRADA

REGIÃO - JOSÉ VICENTE

Data 24/06/2020
Horário 07:00

O Legislativo indianense voltou a se reunir anteontem em sessão extraordinária para se decidir sobre a denominação do terminal rodoviário, que não é novo, apenas passou por uma reforma que ainda está inacabada. Em uma das sessões recentes, houve a iniciativa de alguns vereadores de se aprovar o nome de Francisco Gimenes (pai do atual presidente) para denominação do terminal, a partir de sua reinauguração, entretanto, foi rejeitada pelas comissões. Como não foi aprovado, deveria ser arquivado e o assunto encerrado. Mas na sessão de terça-feira passada, o vereador Edilson Claudino (xaxado) entrou com novo requerimento solicitando a homenagem, ou seja, dar o nome de Francisco Gimenes ao terminal. Na votação, por 5 a 4, foi aprovado, com o voto de minerva do presidente Odair Gimenes. Esse requerimento foi protocolado na quarta-feira na Prefeitura, na quinta fizeram o projeto de lei e, na sexta-feira, foi protocolado na Câmara Municipal, ou seja, numa velocidade extraordinária, para a decisão final na sessão especial realizada na última segunda-feira.

REJEITADO PELA COMISSÕES
A sessão extraordinária da última segunda-feira foi convocada pela prefeita Celeide Floriano, que era favorável à homenagem ao saudoso Francisco Gimenes. A reunião teve início às 19h e o projeto de lei foi mais uma vez rejeitado pelas comissões de Orçamento e Finanças, constituídas pelos edis José Vladimir Gava (MDB), Rosimeire Fernandes da Silva (PP) que votaram contra e Edilson Claudino Xaxado (MDB), autor do projeto, que votou a favor. A comissão de Redação e Justiça, formada pelos vereadores Dézinho (Podemos), Aurélio (Podemos) e Jorge Grigoleto (PP) ausente por motivo de saúde, votou contra o projeto de lei. Citamos o nome do edil Jorge Grigoleto, por fazer parte da comissão, mas ele não votou. O curioso é que segundo fomos informados, as placas já estão prontas, e assim sendo, dinheiro jogado fora. Quero registrar aqui minha indignação, pois fui impedido de assistir a sessão, um evento que deveria ser de conhecimento público e, portanto, nada justifica um jornalista ser barrado na porta, apenas por estar exercendo seu trabalho a bem da comunidade indianense. Agradeço o apoio solidário dos vereadores Jose Vladimir Gava, Aurélio, Dézinho e Rosimeire, logo depois da sessão, demonstrando que não comungam com a lamentável atitude da presidência do Legislativo em impedir o trabalho da imprensa.

A VOLTA POR CIMA
Conhecido como "pintorzinho" de Indiana, não vou citar seu nome, mas vou narrar aqui seu exemplo de vida, para quem sabe, outras pessoas possam se utilizar do mesmo expediente, que o fez mudar completamente e ser visto apenas como um ser humano trabalhador e competente. Pintorzinho tem 48 anos de idade, de um talento muito especial em pintura de casas, mas há alguns anos embrenhou-se no vício da bebida, e o álcool tornou-se um mau companheiro que causou perdas não só financeiras, como também de responsabilidades, pois ele passou a perder trabalho, já que as pessoas sempre estavam inseguras em contratá-lo. Um dia ele teve uma luz, e caiu na real, foi voluntariamente a Clínica Nossa Senhora do Carmo, de Álvares Machado, internou-se, e lá permaneceu durante alguns meses. Quando voltou a nossa cidade, recuperado, recomeçou suas atividades, transformou-se completamente, comprou roupas, móveis para sua casa, já que perdera tudo em um incêndio, e hoje tem uma agenda recheada de ofertas de trabalho. Dias atrás ele me disse "seu Vicente, recuperei minha dignidade", tenho crédito nas lojas e não me falta serviço. Pintorzinho deu a volta por cima. Parabéns!

COISAS DE NOSSA CIDADE
Muitas atividades, que às vezes são consideradas apenas como corriqueiras em determinadas comunidades, acabam por tornar-se características e necessárias para outras. Indiana, por exemplo, é vista para muitos como a capital da cerâmica, mas hoje quero destacar um hábito que aos poucos foi tomando corpo e agora faz parte do nosso cotidiano. São os assados aos domingos e feriados, que já fazem parte do nosso modo de vida, e as donas de casa agradecem, encomendando com antecedência. Um dos pioneiros, Fernando Lima, criou o Assadão do Fernando; Fabricius Bar com seu tradicional frango assado; e o Sócrates Andolfato, o moço que veio de Jaú, com assados maravilhosos, desde o frango assado, ao joelho de porco, lombo recheado, costelão e cupim. Aos domingos, se não encomendar com antecedência, tudo acaba antes do meio-dia. E não só indianenses, vem gente de toda a região buscar os assados, feitos com muito carinho.

OS PAPAGAIOS DA VIZINHA
Minha vizinha tem um casal de papagaios, dois seres alegres e encantadores, que falam o dia todo, assoviam, imitam cachorros, gatos, e claro, imitam até a dona, que gosta de cantar. Só não ouvi ainda eles rezarem, mas a qualquer momento sinto que eles vão me surpreender. Tem dias que ficam emudecidos, não sei a razão, mas quando amanhecem dispostos, fazem um alarido que dá gosto. Ficam tristes quando a vizinha sai, mas quando a vizinha chega, pensa num "forféu", uma festa de boas vindas, gritam, choram, rodopiam, numa alegria só. São os papagaios da minha vizinha.

NÃO É IMORAL
Ser acometido de Covid-19 não é vergonhoso, não é imoral, assim não sei porque algumas pessoas querem esconder e mesmo todos sabendo que a pessoa está infectada, ela continua negando, como se fosse algo ilícito. O infectado é apenas uma vítima, e tem que ser respeitado, mas também tem que ter responsabilidade e, além de cumprir seu isolamento social, deve avisar as pessoas amigas para que não sejam contaminadas. Louvável a atitude de alguns políticos que logo ao testarem positivo anunciam que estão infectadas, entretanto, outros negam mesmo estando evidente que estão doentes.

OPERAÇÃO PANDEMIA
Todos os cuidados para evitar a proliferação do coronavírus estão sendo tomados pela Prefeitura de Martinópolis, inclusive nos distritos, a começar por Teçaindá, que passou pela operação de desinfecção em toda sua área. As calçadas, ruas e avenidas bem como prédios públicos foram devidamente higienizados com supervisão da Defesa Civil. A operação pandemia abrange toda a cidade, fiscalizando a área central, incluindo comércio ambulante no terminal rodoviário e região do Parque das Grevilhas. Há um patrulhamento constante e preventivo no intuito de verificar o cumprimento da medida de quarentena em vigência em toda a região.

Veja também