O silêncio dos (nada) inocentes II

Roberto Mancuzo

CRÔNICA - Roberto Mancuzo

Data 15/12/2020
Horário 06:00

Em alguns casos, eu acho que o governo e empresas que possuem concessão pública se esforçam muito pouco para dar uma resposta decente a todos nós. Em outras vezes, eu tenho absoluta certeza disso. 
Semana passada, a empresa de ônibus urbano de Presidente Prudente, que quase sempre só aparece na mídia por conta de algum problema e parece não ter uma só pauta positiva, mandou à Prefeitura uma proposta de reajuste da tarifa de R$ 7,59. O valor é 78,58% maior do que os atuais R$ 4,25. 
Isso, por si só, já é um absurdo. A pandemia da Covid-19 aumentou os custos? Imagino que sim, mas precisa haver bom senso, né? E, também, mais respeito com todos nós porque a explicação dada pela empresa aos meios de comunicação foi feita, adivinha, por nota! Isso mesmo, não apareceu um santo para explicar e a nota consegue ser pior do que o anúncio de aumento da tarifa. Na notícia dada pelo jornal O Imparcial, em 12 de dezembro e assinada por Thiago Morello, a declaração da empresa por nota diz que “o contrato de concessão prevê o reajuste anual da tarifa, no mês de dezembro, com o objetivo de garantir a continuidade dos serviços” (O link de acesso é este: https://www.imparcial.com.br/noticias/prudente-urbano-pede-reajuste-de-tarifa-para-r-7-59,40452).
Em outras palavras, obrigado por nada! A coisa ficou pior porque daí na sequência eu queria saber o que a Prefeitura diria de uma piada de mau gosto como essa. Nas duas notícias que consultei, no jornal O Imparcial e no site G1, ambas no dia 12/12, a Prefeitura se limitou a dar um roteiro completamente burocrático a respeito da questão. Segundo informou a matéria do G1, assinada por Gelson Netto, “De acordo com o Poder Executivo, os documentos estão em posse da Secretaria Municipal de Assuntos Jurídicos e Legislativos e, posteriormente, serão encaminhados para a equipe de engenharia da Secretaria Municipal de Mobilidade Urbana e Cooperação em Segurança Pública (Semob), para análise técnica do relatório e apresentação de contraproposta por parte do município”. Haja contraproposta!
Por fim, a Prefeitura informou ao G1 que "ainda não há previsão de quando um eventual decreto de reajuste da tarifa será publicado". (o link de acesso é este: https://g1.globo.com/sp/presidente-prudente-regiao/noticia/2020/12/12/prudente-urbano-pede-aumento-de-quase-80percent-no-valor-da-tarifa-de-onibus.ghtml)
Aí, vai vendo. Pensei comigo que nos sites tanto da Prefeitura como da empresa eu poderia ter uma informação melhor e fui lá conferir ontem (14/12), perto das 14h. Podia ter ficado quieto, né? Para não sofrer...
No endereço virtual da empresa, uma surpresa! A última notícia por lá é de maio de 2020. A comunicação não deve ser o forte deles mesmo, embora seja uma obrigação para com todos os contribuintes que pagam os impostos regularmente.
Na Prefeitura, piora um pouco porque além de não haver nada a respeito, ainda tem lá um monte de notícias institucionais como se o mundo estivesse girando na mais completa ordem.
O mandato do atual prefeito está no fim e ele não quer saber disso? A empresa de ônibus somente aplicou uma regra protocolar e depois terá bom senso de não cobrar isso tudo? Não sabemos e não temos respostas a estas perguntas. E ficamos assim.
E você, amigo, achando que nada mais iria te surpreender neste 2020? Uma proposta de aumento de 78,58% na tarifa de ônibus urbano em Presidente Prudente não é para amadores.
Vou repetir aqui o que disse em uma crônica anterior, que tem como título “O silêncio dos (nada) inocentes” e publicada neste mesmo espaço em 3 de novembro de 2020: “A coragem é própria dos homens de bem e não daqueles que se silenciam, fingindo uma inocência que não possuem”.
 

Veja também