O turismo como projeto socioeconômico!

Em tempos totalmente atípicos de pandemia, onde nossas cidades buscam alternativas para gerar empregos e renda, temos percebido um crescente interesse pelo turismo na área pública, falo especialmente do turismo receptivo, em suas diversas vertentes, como compras, de saúde, religioso e o de negócios.
Quando nos perguntam sobre a viabilidade do turismo enquanto mecanismo gerador de desenvolvimento urbano, não resta dúvida que a resposta é sim!
Há diversos exemplos de cidades, em todo o mundo, que se desenvolvem com a importante ajuda dos turistas que as visitam regularmente. O turismo, embora poucos saibam, é classificado como um setor industrial e tem uma significativa participação na economia brasileira, respondendo por mais de 8% do PIB (dados de 2019) e gerando emprego para cerca de 7 milhões de trabalhadores brasileiros.
No ano de 2019, o turismo gerou uma participação de 10,4% no PIB mundial, uma alta de 3,9%. O crescimento do setor ficou à frente de ramos como o de cuidados com a saúde (3,1%) e tecnologias da informação (1,7%), perdendo apenas para o de manufaturas (4%).
Quanto à viabilidade para implantação de um pólo turístico numa cidade como Presidente Prudente, também não temos dúvidas de sua viabilidade. Havendo vontade política e, especialmente, capacitação dos atores, será possível criar e implantar diversos recursos para atrair turistas, que seriam um alento para nossa economia, que claudica neste instante em que a vacinação chega à maioria da nossa população, significando uma esperança para a passagem deste atual momento.
Neste setor, a criatividade é o limite e tudo é possível desenvolver. Não precisamos necessariamente de atrações naturais e altos investimentos públicos. Empreendimentos como áreas de lazer, entretenimento, museus e eventos podem ser implantados em qualquer lugar, inclusive com parcerias da iniciativa privada. Em Prudente, temos o Parque do Povo e a Cidade da Criança, áreas públicas que muito bem servem como um belíssimo e excelente postal turístico.
O turismo é um negócio excelente para todos, desde o pipoqueiro até o mega empreendedor. Gera emprego e renda automaticamente, em toda sua vasta cadeia produtiva, engajando trabalhadores sem qualquer formação acadêmica.
Entretanto, quando nos referimos à viabilidade do turismo como projeto de desenvolvimento socioeconômico de uma cidade, temos uma importante observação a considerar: o governo municipal não deva ser o gestor dos empreendimentos turísticos, pois não é sua função empreender ou administrar qualquer processo industrial. Ele deve sim, ser um facilitador.
Neste caso, para o turismo ser viável, os governos municipais devem implantar programas integrados para facilitar os investimentos através de diretrizes que atendam os anseios e necessidades da comunidade, direcionando os recursos e equipamentos públicos de tal maneira que os cidadãos tenham orgulho de receber seus visitantes. Com qualidade na gestão pública, o turismo será sempre bem-vindo!
 

Veja também