Pneumologista fala sobre malefícios do cigarro convencional, eletrônico e narguilé

Segundo Paulo Roberto Mazzaro, existe uma sensibilidade individual em que, às vezes, o mesmo produto pode fazer mais ou menos mal para uns do que para outros

Saúde & Bem Estar - DA REDAÇÃO

Data 16/01/2022
Horário 14:28
Foto: Freepik
Cigarros eletrônicos são igualmente agressivos à saúde
Cigarros eletrônicos são igualmente agressivos à saúde

Recentemente, o cantor de música sertaneja Zé Neto teve que se afastar dos palcos em decorrência de uma condição pulmonar conhecida como “vidro fosco”, que causa falta de ar e está relacionada à utilização dos cigarros eletrônicos. O pneumologista Paulo Roberto Mazaro diz que esse produto tende a passar a impressão errada ao usuário de que por não ter nicotina é mais seguro. O médico afirma que, assim como o “cigarro convencional”, os eletrônicos também são igualmente agressivos à saúde. “Existe uma sensibilidade individual onde, às vezes, o mesmo produto pode fazer mais ou menos mal para uns do que para outros. Mas o importante mesmo é a pessoa ter consciência de que tanto um quanto o outro sempre será nocivo à saúde nos mais variados graus, que vai depender da sensibilidade do organismo de cada um”, destaca o médico.
Paulo Mazzaro salienta que assim, como os convencionais, o hábito de fumar os cigarros eletrônicos também causa dependência.
O pneumologista explica o que é o tal “vidro fosco” e como a condição pode comprometer a saúde dos pulmões. “Trata-se de uma inflamação pulmonar que chamamos de pneumonia de hipersensibilidade. Então, ao serem inalados, os produtos químicos que têm no cigarro, o organismo reage e os pulmões inflamam. Não é uma bactéria, não é uma infecção, é uma inflamação”, explica o médico.

Foto: Arquivo/O Imparcial

Paulo Roberto Mazzaro alerta que todos os produtos trarão algum mal

Febre no mundo

Outro produto carregado de malefícios, ainda pior que os cigarros eletrônicos, que quando consumido em 20 minutos a uma hora equivale a 100 cigarros convencionais, e que seu uso é normal, liberado, sendo utilizado por grande quantidade de adolescentes, jovens e adultos, inclusive em espaços públicos, é o narguilé.
É sabido que fumar é altamente nocivo à saúde. Fumar aumenta o risco de contrair infecções bacterianas e virais. O médico afirma que os produtos químicos inalados, inclusive, os corantes que são colocados no narguilé para dar sabor, também podem causar a pneumonia de hipersensibilidade. 
E o pior, segundo ele, é no momento em que todo o mundo está vivendo, os usuários de narguilé fazem aquelas rodinhas e compartilham a piteira ou bocal, e vão passando de boca em boca. “O que é uma forma clara de possível infecção, contaminação não só da Covid, mas do novo vírus que chegou da Influenza, que é um pouco mais agressivo do que o que já conhecíamos. Além de fungos, bactérias, enfim, toda a espécie de produtos e infecciosos ou químicos, que o usuário de narguilé vai receber ao usar o narguilé”, enfatiza Paulo Roberto Mazzaro.

Foto: Reprodução/Site brasilescola


Narguilé e seus componentes, um vício entre adolescentes, jovens e adultos

Veja também