Polícia Civil investiga corpo humano esquartejado em Presidente Epitácio

Testemunha encontrou sacos plásticos que continham o dorso, as pernas e os pés da vítima; cabeça ainda não foi localizada, mas trata-se de um homem

REGIÃO - ROBERTO KAWASAKI

Data 23/08/2021
Horário 09:56
Foto: Marcelo Casarini/Cedida
Ao abrir o saco plástico, segundo a PM, a testemunha constatou que havia o dorso de um homem
Ao abrir o saco plástico, segundo a PM, a testemunha constatou que havia o dorso de um homem

Partes de um corpo humano foram encontradas dentro de sacos plásticos na tarde de ontem, em uma estrada de terra na entrada do bairro Village Lagoinha, em Presidente Epitácio. A vítima ainda não foi identificada, e o caso está em investigação pela Delegacia de Polícia Civil. 

Segundo a Polícia Militar, uma testemunha relatou que durante a manhã passou pelo local e viu um saco plástico com volume suspeito. Em um primeiro momento, imaginou que pudesse ser um cachorro morto. Ao abrir o saco plástico, segundo a PM, a testemunha constatou que havia o dorso de um homem. 

Diante disso, a corporação foi acionada e compareceu ao local. De acordo com o 42º BPM/I (Batalhão de Polícia Militar do Interior), no período da tarde, às margens do Rio Paraná, a testemunha localizou outros sacos plásticos que continham pernas e pés. Conforme a Polícia Militar, a cabeça não foi localizada. 


Marcelo Casarini/Cedida - Sacos estavam em uma estrada de terra na entrada do Village Lagoinha

Inquérito policial

O inquérito foi instaurado pela delegacia de Presidente Epitácio. De acordo com o delegado de Polícia Civil, Márcio Fiorese, o local onde foi encontrado o corpo foi periciado pelo IC (Instituto de Criminalística) e a necrópsia está a cargo do IML (Instituto Médico Legal), que analisa o tronco, braços e pernas.

“Solicitamos possível coleta de impressões digitais do cadáver e extração de material genético para futuro confronto de DNA”, afirma o delegado. Até o momento a identidade da vítima é desconhecida, e ainda não se sabe se o homem foi morto na cidade ou somente deixado no local. 

“Muito provável que a pessoa morta não seja desta cidade e sim de fora. Isso porque ninguém ainda o reclamou. Também não localizamos testemunhas nem câmeras de vigilância que pudessem auxiliar nas informações no tocante ao encontro do cadáver”, explica Fiorese. 


Marcelo Casarini/Cedida Polícia Civil foi comunicada e investiga o crime

Veja também