Polícia Civil prende quadrilha especializada em furtos de baterias em torres de celular

Falhas da comunicação regional podem ter relação direta com os crimes; equipes cumprem 25 medidas cautelares 

REGIÃO - ROBERTO KAWASAKI

Data 06/07/2021
Horário 09:30
Foto: Polícia Civil
Segundo a Polícia Civil, ação dos criminosos gerou prejuízo total que ultrapassa R$ 1,2 milhão
Segundo a Polícia Civil, ação dos criminosos gerou prejuízo total que ultrapassa R$ 1,2 milhão

A Polícia Civil deflagrou hoje uma operação que tem como alvo uma quadrilha especializada em furto de chumbo de baterias utilizadas em torres de telefonia celular. A ação dos criminosos, possivelmente, teria resultado em falhas na comunicação regional. Desde as primeiras horas da manhã, mandados são cumpridos nos Estados de São Paulo e Mato Grosso do Sul. 

A operação batizada de Shutdown - “desligar”, em inglês, é comandada pela 1ª DIG (Delegacia de Investigações Gerais), da Deic-8 (Divisão Especializada de Investigações Criminais), de Presidente Prudente. De acordo com a polícia, a investigação começou após o setor de inteligência verificar que em várias cidades da região “DDD 18” houve queda de sinal das operadoras de telefonia.

Com o cruzamento de registros, verificou-se que em mais de 60 crimes houve o relato de subtração de baterias estacionárias das torres de telefonia. Diante disso, a delegacia especializada assumiu um caso em andamento para aprofundar a investigação. Trata-se de um furto qualificado consumado em Pedrinhas Paulista (SP), na comarca de Maracaí (SP), onde foi possível a identificação do grupo criminoso.

Conforme a Polícia Civil, as empresas vítimas relataram que na base das torres são colocadas baterias estacionárias para, no caso de alguma pane elétrica, existir o acionamento automático das baterias, como geradores ininterruptos de sinal. Os furtos somente eram descobertos durante a vistoria técnica de rotina ou na falta completa do sinal. Isso resultava na demora da religação, o que prejudicava os usuários de telefonia celular.


Polícia Civil - Ações ocorrem nos estados de São Paulo e Mato Grosso do Sul

Cumprimento de mandados

Com a identificação dos suspeitos, a Polícia Civil iniciou hoje o cumprimento de 25 medidas cautelares, sendo 11 de prisões temporárias, 14 de buscas domiciliares, além de bloqueio de contas. As ações ocorrem em Presidente Prudente, Regente Feijó, Caiuá, Presidente Epitácio, Bataguassu (MS) e Três Lagoas (MS).

Até às 7h de hoje, segundo o Deinter-8 (Departamento de Polícia Judiciária do Interior), foram cumpridos 11 mandados de prisão, um flagrante, e 25 mandados de busca e apreensão.

“Apurou-se, em tese, que criminosos, em unidade de desígnios e vinculados a uma estrutura permanente e hierarquizada, de vários autores e com divisão de tarefas, praticam reiterados furtos qualificados - rompimento de obstáculo, uso de chave falsa e concurso, em desfavor de empresas de telefonia, especialmente de baterias estacionárias, possivelmente visando o desmanche e posterior venda do chumbo acondicionado”, relata a polícia.  O total dos prejuízos ultrapassa R$ 1,2 milhão.

Os presos serão interrogados na Deic-8 e indiciados. Na sequência, serão encaminhados à Cadeia Pública de Presidente Venceslau, onde permanecerão à disposição da Justiça Pública.


Polícia Civil - Mandados são cumpridos desde as primeiras horas do dia

Veja também