Praça requer educador físico e policiamento, pedem vizinhos

PRUDENTE - ANDRÉ ESTEVES

Data 11/12/2016
Horário 09:22
 

A praça de lazer do Jardim Santana, localizado na zona leste de Presidente Prudente, é um dos grandes atrativos do bairro. O espaço conta com quadra poliesportiva, ponto do Projeto Cidade Digital, que disponibiliza wifi gratuito, e academia para a terceira idade, esta utilizada diariamente pelas moradoras Izolina Gomes, 74 anos, Jandira Souza Santos, 64 anos, e Elidia Leal, 76 anos. As três estão "muito satisfeitas" com os equipamentos oferecidos, mas sentem falta de um profissional para auxiliar os frequentadores quanto ao uso correto de cada aparelho, além de desenvolver atividades físicas e de recreação. "Vemos isso em outros bairros e sentimos necessidade de ter aqui também, já que um profissional poderia acompanhar os nossos alongamentos e analisar se estamos fazendo corretamente. Caso houvesse esse incentivo, certamente o número de usuários seria maior", avalia Elidia.

Jornal O Imparcial Jardim Santana conta com academia para a terceira idade

A reportagem entrou em contato com a Semepp (Secretaria Municipal de Esporte) para saber a viabilidade de incorporar um educador físico na área mencionada. Por meio de nota, a titular da pasta, Maria Cristina Borges Madeiral Netto, Tute, informou que a secretaria possui em seu quadro de profissionais, educadores físicos e técnicos esportivos em atuação em várias praças com atividades dirigidas ao esporte de um modo geral e, "infelizmente", não tem neste momento como deslocar um profissional para a praça do Jardim Santana. "Realmente, é um espaço maravilhoso e sabemos que a comunidade é muito ativa", complementa.

Em contrapartida, um ponto negativo apontado pelas moradoras citadas é a falta de policiamento na área, que é constantemente danificada por "jovens mal intencionados". "Eles vêm aqui e quebram os aparelhos. Não adianta nada a Prefeitura oferecê-los se a própria população não sabe valorizar", pondera a pensionista Izolina Gomes. A doméstica Vilma Ferreira da Silva, 43 anos, concorda com a afirmação e cobra mais rondas policiais tanto na praça de lazer quanto nas escolas, o que já era uma reclamação dos munícipes na primeira vez que a reportagem esteve no Jardim Santana. "Ouvimos muitas histórias sobre drogas na escola do bairro, então acredito que as rondas escolares deveriam ser intensificadas. É difícil ver as viaturas policiais circulando por aqui. Eles vêm quando há ocorrência", assinala.

O pontista Sebastião Dias da Silva, 68 anos, também lamenta a falta de patrulhamento na praça de lazer e na escola. "Tem pessoas acabando com a praça e fazendo uso de drogas no meio do povo. Está mais do que na hora de aumentar o policiamento por aqui", aponta. Procurada, a Seção de Comunicação Social do 18º BPM/I (Batalhão de Polícia Militar do Interior) informou que o bairro em questão conta com a presença diuturna de uma viatura de radiopatrulha e conta ainda com o apoio de policiais militares, que atuam por meio da Dejem (Diária Especial por Jornada Extraordinária do Trabalho Policial Militar). "Além disso, outras modalidades como Cavalaria, Força Tática, policiamento com motos, Ronda Escolar e helicóptero Águia da PM reforçam a segurança do bairro", comunica.

O canal acrescenta ainda que, em caso de denúncias, a população pode relatar, de forma anônima, atitude suspeita ou práticas criminosas por meio dos telefones 190 (Polícia Militar), 197 (Polícia Civil) e 181 (Disque Denúncia). "Ao ligar, é importante que o denunciante informe o local onde está ocorrendo o delito, número de pessoas envolvidas, características físicas e das vestes, se estão portando armas e em qual direção os suspeitos fugiram", pontua.

 

ESTRUTURA DO BAIRRO


Ano de implantação: 1977

Área de loteamento: 118.277,00 m²

Área verde: 8.735,00 m²

Quadras: 15

Construções: 273

Terrenos baldios: 39

População estimada: mil pessoas

Fonte: Seplan

 

SERVIÇO


A população pode promover suas reclamações, críticas e elogios sobre o bairro em que reside. O contato deve ser feito com os profissionais da Pauta, por meio do pauta@imparcial.com.br, do telefone 2104-3722 ou do Whatsapp 99104-8537.

 

Veja também