Prazo para declaração da vacina contra aftosa é prorrogado

Até agora, com imunização já encerrada, 97,4% do rebanho de bovídeos da região estão com a declaração entregue aos escritórios; tendência é aumentar até o fim do mês

REGIÃO - MARCO VINICIUS ROPELLI

Data 07/07/2020
Horário 05:20
Marco Vinicius Ropelli: Tendência é que porcentagem de bovídeos vacinados na região chegue perto dos 100% Foto: Marco Vinicius Ropelli: Tendência é que porcentagem de bovídeos vacinados na região chegue perto dos 100%

A primeira etapa da campanha de vacinação contra a febre aftosa no Estado de São Paulo, prevista para finalizar no dia 31 De junho, teve o período de entrega das declarações prorrogado até o fim do mês de julho. “Esses ajustes foram necessários para que os produtores pudessem se programar e evitar exposições e aglomerações tanto no momento da aquisição das vacinas quanto na hora de declarar a realização do procedimento”, afirma o médico veterinário Adriano Macedo Debiazzi responsável pelo Programa Estadual de Erradicação da Febre Aftosa.

O período de vacinação, entretanto, já foi encerrado, e de acordo com os números contabilizados pelo sistema Gedave (Gestão de Defesa Animal e Vegetal), já foram declaradas a vacinação de 97,125% dos bovídeos (bovinos e bubalinos) da região representada pelo EDA (Escritório de Defesa Agropecuária) de Presidente Prudente (696.566 dos 715.258 envolvidos na etapa), 97,174% da região de Presidente Venceslau (772.257 dos 794.713 bovídeos envolvidos na etapa) e 97,795% na região de Dracena (318.308 dos 325.485 animais envolvidos na etapa). Ao todo, dos 1.835.456 bovídeos da região, 97,4% já estão imunizados. “Ressalto que os percentuais são baseados naquelas propriedades onde já foram realizadas as declarações, e, como a data limite para esse procedimento foi alterada para 31 de julho, os números tendem a aumentar”, garante Adriano.

O QUE FAZER, SE PERDEU O PRAZO?

O médico veterinário ressalta que quem perdeu o prazo para vacinação do rebanho deve contatar a regional mais próxima, através dos telefones ou endereços eletrônicos disponíveis no site da Defesa Agropecuária do Estado de São Paulo (defesa.agricultura.sp.gov.br) para regularizar a situação (emissão da autorização de aquisição de doses da vacina) o mais breve possível.

Os proprietários que não vacinaram seus bovinos e bubalinos até a data final da etapa (30 de junho) estão sujeitos à penalidade de multa no valor de cinco Ufesps (Unidades Fiscais do Estado de São Paulo), por animal não vacinado, o que corresponde a R$ 138,05 por cabeça. Os proprietários que não realizarem a declaração até 31 deste mês também estarão sujeitos à penalidade de multa no valor de R$ 82,83 por animal não declarado.

 

NOVAMENTE, UM SUCESSO

Em relação aos EDAs regionais, os representantes se dizem satisfeitos, tanto com os números, quanto com a forma remota de realizar os trâmites. O diretor do EDA de Venceslau, Guilherme Platzeck Neto, 60 anos, afirma que foi uma campanha inusitada, tendo em vista que foi realizada por teletrabalho. “Um detalhe que nos surpreendeu é que a maioria dos produtores rurais preferem a continuidade do atendimento eletrônico, pela facilidade, inclusive, evitando longos deslocamentos.

Além disso, durante toda a campanha, três funcionários do escritório dedicaram-se a atender aos contatos dos produtores, seja por meio de telefonemas ou e-mail.

O médico veterinário da EDA de Prudente, da mesma forma, diz satisfeito com os resultados. Segundo ele, o maior causador de atraso, e um dos motivos para o estendimento no prazo de declarações, foi a necessidade de solicitação de senhas pelos produtores aos escritórios, para que pudessem realizar a declaração pelo sistema do Gedave. De resto, a facilidade do sistema acelerou os atendimentos e até as declarações, facilmente executadas do computador de casa.

“É fundamental que os rebanhos, em suas totalidades, mantenham-se protegidos nas etapas de vacinação que ainda irão ocorrer, pois desta forma, conseguimos manter o rebanho paulista sem a ocorrência da doença, destacando que o último foco de Febre Aftosa no Estado data de março de 1996”, conclui Adriano Debiazzi.

 

Cidades que fazem parte de cada EDA:

Dracena (3.899 propriedades envolvidas): Adamantina, Dracena, Flora Rica, Flórida Paulista, Irapuru, Junqueirópolis, Mariápolis, Monte Castelo, Nova Guataporanga, Ouro Verde, Pacaembu, Panorama, Paulicéia, Santa Mercedes, São João do Pau d'Alho, e Tupi Paulista.

Presidente Prudente (6.318 propriedades envolvidas): Alfredo Marcondes, Álvares Machado, Anhumas, Caiabu, Emilianópolis, Estrela do Norte, Iepê, Indiana, João Ramalho, Martinópolis, Nantes, Narandiba, Pirapozinho, Presidente Bernardes, Presidente Prudente, Rancharia, Regente Feijó, Sandovalina, Santo Expedito, Taciba e Tarabai.

Presidente Venceslau (7.095 propriedades envolvidas): Caiuá, Euclides da Cunha Paulista, Marabá Paulista, Mirante do Paranapanema, Piquerobi, Presidente Epitácio, Presidente Venceslau, Ribeirão dos Índios, Rosana, Santo Anastácio e Teodoro Sampaio.

 

 

 

 

 

Veja também