Problemas respiratórios se agravam no inverno

Tosse constante, chiado no peito e falta de ar são sintomas para a asma, doença que, segundo médico de Prudente, exige cuidados

PRUDENTE - ANNE ABE

Data 02/07/2017
Horário 11:25

 

A temperatura baixa, o ar seco e o baixo índice de chuva são as principais características do inverno, que teve início no dia 21 de junho, data que também é marcada como o Dia Nacional da Asma. Com isso, neste período do ano, é o momento em que os asmáticos mais sofrem com crises respiratórias frequentes e graves. De acordo com o médico pneumologista, Paulo Roberto Mazaro, de Presidente Prudente, cerca de 15% a 20% do movimento geral em seu consultório corresponde às doenças respiratórias, no entanto, em épocas de frio esse número chega dobrar.

O pneumologista informa que a tosse constante, o chiado no peito e a falta de ar, são sintomas para a doença, que pode ser de nível leve, moderado e até, grave. O profissional ainda explica que a asma, normalmente, é hereditária e se agrava com o contato de produtos alergênicos, ácaros, mudança de tempo e determinados alimentos. “Às vezes vem desde a infância e é raro o diagnóstico de uma pessoa de 50 anos com a doença, por exemplo”, ressaltou.

Contudo, a orientação passada por Paulo Mazaro é de, primeiramente, identificar a o que a pessoa é sensível, com teste alérgico e orientações médicas. Depois de diagnosticado, o especialista indica que é preciso realizar o tratamento adequado, que pode ser com vacinas, medicamento broncodilatadores, corticoides sistêmico de uso oral e inalatório, entre outros, pois ajudam a prevenir as crises por um tempo prolongado. “Asmáticos não devem fumar. A fumaça de maneira geral piora a doença e também devem evitar ambientes fechados”, alerta.

 

Na luta

A estudante Yasmin Victor Perozzi, 20 anos, lida com a doença desde os 3 anos e, a partir de então, faz tratamento com o uso da bombinha duas vezes ao dia, para evitar as crises respiratórias fortes que já a levaram ao hospital três vezes, quando foi tratada com broncodilatador e corticoide. “Quando muda o tempo para mais frio e na primavera, por causa do pólen das flores, são os períodos que mais sinto uma piora. Tenho muita falta de ar quando acontece uma crise. Inspiro, mas mesmo assim, fico muito limitada. Se eu não tiver com a bombinha ou inalador por perto entro em desespero”, contou.

Já Beatriz Nelli Barbatto, 21 anos, estudante, descobriu ter asma desde os 6 anos, porém, agora está com a doença estável. Ela conta que a as crises foram diminuindo aos poucos, conforme foi melhorando sua imunidade, mas que antes, sentia muita falta de ar, tinha tosse constante e o peito chiava. “Em tempo frio sempre piora, por isso faço inalação e coloco uma toalha molhada perto da minha cama”, declarou.

 

Clima seco

De acordo com o climatologista Vagner Camarini, neste ano, é previsto volume de chuva 20% acima da média normal no inverno. No entanto, para ele, é um número baixo, que deve apresentar resultados quase insignificativos. “A característica regional da estação é de tempo mais seco, não tão rigoroso, mas a chuva vai diminuir até agosto”, finaliza.

Veja também