Prudentina encara 217 km da BR 135 Ultramarathon

Primeira prova de 2021 de Geane Francisco deve ser concluída em 120 horas, passando por 14 cidades, com início em São João da Boa Vista (SP) e término em Paraisópolis (MG)

Esportes - OSLAINE SILVA

Data 14/01/2021
Horário 07:30
Foto: Fábio Fujimoto
Geane ressalta a beleza dos montes no percurso da prova pelo Caminho da Fé
Geane ressalta a beleza dos montes no percurso da prova pelo Caminho da Fé

Uma prova de superação! A BR 135 Ultramarathon é primeira prova do ano que a ultramaratonista de Presidente Prudente, Geane Francisco Pereira, participa, a partir desta quinta-feira. Serão 217 km (quilômetros), que devem ser concluídos em 120 horas, passando por 14 cidades - com início em São João da Boa Vista (SP) e término em Paraisópolis (MG). No ano passado, a atleta terminou o desafio completando135 km. 
“É no Caminho da Fé! A paisagem é linda! Tentarei concluir em menos de 60 horas. A BR 135 Ultramarathon é uma das provas mais difíceis do Brasil e do mundo, também devido à altimetria [muitos montes]. É uma prova de superação! Ela qualifica para competições como a Badwater, que ocorre no Vale da Morte nos Estados Unidos [essa é a mais difícil do mundo, pois a temperatura chega a 50° graus]. Entre outras, como a UAI [Ultramaratona dos Anjos Internacional], etc”, classifica a prudentina.

“É NO CAMINHO DA FÉ! A PAISAGEM É LINDA! TENTAREI CONCLUIR EM MENOS DE 60 HORAS. A BR 135 ULTRAMARATHON É UMA DAS PROVAS MAIS DIFÍCEIS DO BRASIL E DO MUNDO”
Geane Francisca Pereira

Durante essas horas de resistência, correndo solo sem apoio, Geane conta que fará pausa para café da manhã, lanche, almoço e jantar de 15 a 30 minutos.
“Enviei drop bags para nove pousadas/paradas, onde tem a minha suplementação/alguns alimentos e roupa. Nestas pausas para jantar, aproveito para tomar um banho. Ano passado quando fiz os 135 km dormi 15 minutos. Neste ano, se após essa quilometragem for necessário, paro para dormir até uns 40 minutos antes de completar os 217 km. Mas espero não precisar não [risos]”, diz Geane.

Preparação na pandemia

Desde abril de 2020, de domingo a domingo, Geane vem treinando corrida isoladamente, seguindo a planilha de treino do técnico Marcelo Rocha, de Adamantina. Quando as academias foram liberadas pelo Plano São Paulo, ela fazia musculação e fortalecimento com a personal trainer Larissa Simonetti Oishi e funcional com Aline Oishi, na Apea (Associação Prudentina de Esportes Atléticos). Além de fazer exercícios educativos com o treinador Eliseu Sena, natação e balé duas vezes por semana. 
“Quando não era possível treinar na academia. eu fazia os exercícios em casa mesmo. Corri a prova de Indaiatuba [SP] na modalidade 12 horas, em novembro de 2020, para treinar para esta ultramaratona. E lá acabei conseguindo ser a vice-campeã na geral. O que foi mais que gratificante diante do ano que passamos”, lembra a atleta.

Ilustração: Cedida/Fábio Fujimoto

Veja também