Real Grandeza mantém espaço cultural em Prudente para atividades

Integrantes querem mostrar que a escola está viva e que o carnaval não morreu; enquanto as ações estão suspensas, local passa por reformas

VARIEDADES - ROBERTO KAWASAKI

Data 16/01/2021
Horário 08:00
Foto: Weverson Nascimento
Edison José ressalta que o espaço também recebe discussões sobre o próprio carnaval
Edison José ressalta que o espaço também recebe discussões sobre o próprio carnaval

A escola de samba Real Grandeza, de Presidente Prudente, mantém um espaço cultural onde realiza atividades recreativas para a comunidade. A pequena casa, localizada na Rua Luiz Maranho, no Jardim Vale do Sol, também é sede do grupo que, assim como muitos, tiveram suas atividades suspensas em decorrência da pandemia da Covid-19.
Desde então, a escola tem buscado manter o vínculo com os amantes do carnaval – atividade que já era desenvolvida antes mesmo do atual cenário enfrentado. De acordo com o presidente da Real Grandeza, Edison José da Silva, o espaço também é um dos meios buscados para manter as despesas da casa. Mesmo com algumas das atividades gratuitas, o sustento também vem de um pequeno bar instalado.
“Mantemos o espaço há cinco anos, mas conforme o tempo, fomos mudando de endereço”, afirma o presidente. “Desenvolvemos muitos projetos [boa parte parados por conta da pandemia], como atividades de zumba, aulas de samba, tivemos a escolinha de bateria que provavelmente volta este ano, forró para a terceira idade”, conta. Por estar próximo de residências, o barulho é controlado. “Fazemos uma música mais ambiente”, salienta.
Enquanto as atividades estão suspensas, o local passa por reformas a fim de trazer mais comodidade para os participantes. Inclusive, os pequenos shows que ocorrem na área demandam improviso. “Isso aqui que você está vendo [varanda do imóvel] se torna um palco. É tudo adaptado”, explica Edison. Além das atividades de lazer, o espaço também recebe discussões sobre o próprio carnaval, como o enredo, bateria, fantasias e o evento de modo geral que, por conta da pandemia, foi suspenso. “Vinha num ritmo acelerado, mas tivemos que parar tudo”. 

O carnaval não morreu

Em junho, a Real Grandeza completou 11 anos de fundação. Durante esse período, foram inúmeras as noites em que trouxe música, brilho e cor para os foliões. Mesmo com a grande festa suspensa, os integrantes estão esperançosos e não querem ficar parados. Além da sede da escola, a reportagem conheceu o ateliê, onde nesta época do ano já estaria com mais de 60% dos adereços e carro montados. 
“Tivemos uma reunião para tentar fazer o enredo, montar o samba e ver o que pode aproveitar. Pensamos em fazer um desfile, ainda que no bairro, para mostrar que a escola existe, está viva e que o carnaval não morreu”, considera o presidente. 

Foto: Arquivo pessoal

Encontros na sede da escola ocorrem de maneira restrita

Veja também