São Paulo vai receber 5 milhões de doses da CoronaVac em outubro

Vacina desenvolvida por farmacêutica chinesa já está na fase 3 de testes em humanos e dependerá de aprovação pela Anvisa

Geral - DA REDAÇÃO

Data 21/09/2020
Horário 17:48
Governo do Estado - Intenção do governo paulista é repassar a vacina para o Ministério da Saúde Governo do Estado - Intenção do governo paulista é repassar a vacina para o Ministério da Saúde Imagem: Governo do Estado - Intenção do governo paulista é repassar a vacina para o Ministério da Saúde

Até outubro, o governo de São Paulo vai receber as primeiras 5 milhões de doses da CoronaVac, vacina contra o novo coronavírus que está sendo desenvolvida pela farmacêutica chinesa Sinovac com apoio do Instituto Butantan. Segundo o governador João Doria (PSDB), o Estado deve receber 46 milhões de doses do imunizante até dezembro. As informações são da Agência Brasil.

O acordo feito pelo governo paulista com a Sinovac prevê, inicialmente, o envio de doses prontas ou semiprontas da CoronaVac fabricadas na China. Também há previsão de transferência de tecnologia, ou seja, o Instituto Butantan poderá produzir doses dessa vacina.

A CoronaVac já está na fase 3 de testes em humanos. No Brasil, os testes tiveram início em julho, com 9 mil voluntários em centros de pesquisas de seis unidades da Federação: São Paulo, Distrito Federal, Rio de Janeiro, Minas Gerais, Rio Grande do Sul e Paraná. Caso seja comprovada a eficácia, a vacina terá de ser aprovada pela Anvisa (Agência Nacional de Vigilância Sanitária) antes de ser disponibilizada para imunização no Brasil.

A vacina é inativada, ou seja, contém apenas fragmentos do vírus, inativos. Com a aplicação da dose, o sistema imunológico passaria a produzir anticorpos contra o agente causador da Covid-19, a doença provocada pelo novo coronavírus. No teste, metade das pessoas receberá a vacina e metade receberá placebo, substância inócua. Os voluntários não saberão o que vão receber. A vacina está sendo aplicada em duas doses.

Plano estadual

Em entrevista concedida no Palácio dos Bandeirantes, Doria voltou a dizer que a intenção do governo paulista é repassar a vacina para o Ministério da Saúde para que o imunizante possa ser distribuído a toda população.

Ele admitiu, no entanto, que já existe um plano estadual alternativo para distribuição da vacina, caso não seja feito um acordo com o governo federal. Neste caso, a vacinação aconteceria somente para os moradores do Estado de São Paulo, população estimada em cerca de 45 milhões de pessoas.

"O que eu posso garantir é que os brasileiros que residem em São Paulo não vão ficar sem a vacina", disse Doria.

Veja também