Setor sucroalcooleiro reage:

Cristiano Machado

“Nós produzimos e eles colocam o preço que estabelecem para vender”, diz diretor de usina

COLUNA - Cristiano Machado

Data 11/11/2021
Horário 05:40
Foto: Wenderson Araujo/CNA 
Produção de cana-de-açúcar foi tema do programa “Agro & Negócios”, na Rádio 101 FM de Presidente Prudente 
Produção de cana-de-açúcar foi tema do programa “Agro & Negócios”, na Rádio 101 FM de Presidente Prudente 

Ricardo Toniello, diretor da usina sucroalcooleira Viralcool, de Castinho (SP), foi o entrevistado do programa “Agro & Negócios” de domingo, dia 7 de novembro, na Rádio 101 FM de Presidente Prudente. Ao falar sobre composição do preço do etanol e dos combustíveis em geral, ele foi sucinto: “Nós produzimos e eles colocam o preço que eles estabelecem para vender. E infelizmente o etanol acompanha a gasolina”. Ele afirmou que são “vários fatores que conduzem o preço”. “Preço do etanol que sai da usina é o correto. Ao chegar na bomba, tem Cide [Contribuição de Intervenção no Domínio Econômico], impostos, etc..”  Toniello, na entrevista concedida ao jornalista Hugo Rocha, também fez análise do setor sucroalcooleiro do Estado.
Ouça na íntegra no www.norteagropecuario.com.br 

Composição dos preços
Recente relatório da Secretaria de Petróleo, Gás Natural e Biocombustíveis do MME (Ministério de Minas e Energia) apontou que da composição final do preço do etanol, 40,9% do valor cobrado pelo litro do biocombustível refere-se a tributos ou margem de postos/distribuidores. Conforme o levantamento, os tributos federais corresponderam a 8,8% do preço final, enquanto os tributos estaduais representaram 12%. A margem dos postos ficou em 13,9% e outros 6,2% para a margem das distribuidoras. 

Os aumentos 
Os preços de combustíveis no Brasil registram aumento em série. O preço médio da gasolina nos postos do país subiu 2,25% na semana passada. Nas bombas, para o consumidor, o preço médio do litro da gasolina é de R$ 6,710, o diesel R$ 5,339 e o etanol, R$ 5,294, conforme a ANP (Agência Nacional do Petróleo, Gás Natural e Biocombustíveis).  


“São muitos os desafios, mas já temos, por exemplo, no âmbito do Plano ABC, um conjunto de técnicas e soluções que já poderiam estar sendo implementadas no campo, porém ainda não estão. Então questões de como quebrar essa barreira e como levar esse conhecimento existente para ser implementado no campo e como desenvolver outros conhecimentos, é um dos grandes desafios”.
Giamapaolo Pellegrino, pesquisador e presidente do portfólio de mudanças climáticas da Embrapa, em entrevista ao programa Conexão Ciência.

Brasil já trabalha com estratégias para reduzir a emissão de metano na pecuária

Na COP 26, em Glasgow, o presidente da Embrapa, Celso Moretti, informou que o Brasil já trabalha com estratégias para reduzir a emissão de metano na pecuária do país. Entre as estratégias que já são utilizadas para reduzir a emissão de metano na pecuária brasileira estão o melhoramento genético de pastagens para desenvolver alimentos mais digestíveis para os animais e o melhoramento genético dos animais, que permite o abate precoce. Também está em estudo a utilização de aditivos que podem ser agregados na alimentação animal, com substâncias como taninos e óleos essenciais. 
“Nos últimos dez anos, o Brasil reduziu de 48 para 36 meses o tempo de abate. Quando o animal fica menos tempo no campo, ele vai produzir menos metano”, explicou o presidente da Embrapa. Além da redução da emissão, o Brasil já trabalha na compensação de emissões, como  os sistemas Integrados de Lavoura-Pecuária e Floresta (ILPF) que hoje ocupa 17 milhões de hectares.

Daniel Guimarães/AgriculturaSP

Melhoramento genético é uma das formas de reduzir emissão de metano 

A não-notícia 
A assessoria de comunicação do deputado estadual licenciado, Itamar Borges, que ocupa a Secretaria da Agricultura e Abastecimento do Estado de São Paulo, divulgou por e-mail à imprensa a seguinte notícia: “Estrada de Presidente Prudente é beneficiada pelo programa ‘Melhor Caminho’”. 
A foto usada é de uma recente cerimônia do programa na região. Na imagem estão, entre outros, o titular da Agricultura e o governador João Doria. Esse comunicado à imprensa foi enviado à imprensa, por e-mail, às 19h de segunda-feira, dia 8. Foi composto por 214 palavras, 1.338 caracteres em 21 linhas de texto. 
Porém, o material não trazia nenhuma letra sobre informações básicas do assunto como, por exemplo: Qual estrada de Prudente foi beneficiada? Quais investimentos? Quais benefícios? A coluna solicitou o detalhamento, mas até o fechamento da coluna (mais de 30 horas depois do e-mail original) não foi enviado. O espaço está aberto para o complemento das informações. 

,

Veja também