Shokonsai: 102 anos marcados por histórias, mistérios e gratidão!

Neste ano, evento que é tradicional em Machado, será realizado em dois dias, sábado e domingo, em alusão ao centenário, que não pode ser comemorado devido à pandemia

VARIEDADES - DA REDAÇÃO

Data 07/07/2022
Horário 03:04
Foto: Estevão Salomão / Folhapress
Ritual das velas, que se mantêm acesas, é o destaque maior deste tradicional evento
Ritual das velas, que se mantêm acesas, é o destaque maior deste tradicional evento

A tão aguardada celebração dos 102 anos do Shokonsai está confirmada para este sábado (das 16h às 22h) e domingo (das 9h às 20h), no Cemitério Japonês de Álvares Machado. O evento, que é tradicional na cidade, será aberto ao público em geral, sem restrições. “Esperamos 5 mil pessoas. Estamos preparando um evento para dar ênfase ao centenário, que não pode ser comemorado em função da pandemia”, expõe o coordenador do Shokonsai, Luiz Takashi Katsutani, lembrando que a entrada e estacionamento são gratuitos.
Luiz Takashi, que é vice-presidente da Aceam (Associação Cultural, Esportiva e Agrícola Nipo-Brasileira de Álvares Machado), acrescenta que neste ano, serão dois dias de solenidade e “haverá grandes novidades”. Segundo ele, o destaque principal, como todos os anos, é o ritual das velas e, nesta edição, a gastronomia nipônica.
Na programação do primeiro dia, a partir das 16h, o público poderá se divertir no show com Nobuhiro Hirata e convidados, na praça de alimentação, local onde uma gastronomia toda especial estará sendo servida aos presentes, com as delícias da cultura nipo, como: sushi, temaki, sashimi de tilápia, sashimi de salmão, karaage, sobá, gyudon, yakisoba, guioza, tempurá, yaki manju, mochi, karintô, sorvete frito, além de pastel e espetinho.
No domingo, as atividades do cronograma têm início às 9h, com um culto budista na Capela do Cemitério Japonês. “Contamos com a sua presença! Traga a sua família para prestigiar o centenário do Shokonsai”, convida o coordenador.
Durante essas décadas, só se tem notícia de que não teve o Shokonsai também no período da Segunda Guerra Mundial. Oficialmente, somente em 2020 a festa foi cancelada, por conta da pandemia da Covid-19. E para não passar em branco, o ritual das velas foi mantido, mas com restrições.

Espiritualidade diferente

Se para os japoneses o culto aos antepassados é algo importante, isso só poderia ser feito com festa. E uma das mais tradicionais é o Shokonsai, em Álvares Machado. O evento completa 102 anos e é realizado no Cemitério Japonês do município. Um século de muitas histórias marcadas por lutas, perdas, perseverança, conquistas e, principalmente, gratidão. 
Conforme a história,em 1920, um ano após a criação do cemitério, foi realizado o Obon, que é o evento de finados feito no Japão. No primeiro ano, foi algo muito simples, uma data dentro do calendário japonês, com a celebraçãode missas. No ano seguinte, a ideia evoluiu para o Shokonsai que, a partir de então, começou a ser realizadoem caráter festivo no domingo, não necessariamente no Obon.
O japonês tem um nível de espiritualidade diferente. O dia do Shokonsai é o dia que ele está convidando às almas de todos os antepassados para voltarem. Para o japonês, ter os antepassados novamente com eles é motivo de alegria. Por isso, entregam flores, comidas que os antepassados mais gostavam e, além de tudo, tem música. Tem tudo que significa alegria.
“O Shokonsai é um grande marco. Estamos passando para uma era totalmente diferente. A tradição que, até então, foi trazida dos nossos antepassados [e ainda a mantemos] certamente vai mudar, mas nessa mudança acredito que nossos jovens que estão acompanhando herdarão esse legado e levarão adiante. Esse marco do centenário é muito importante”, destacou Toshio Koketsu, presidente da Associação Cultural Nipo Brasileira da Alta Sorocabana.
Alberto Sano lembra que, ao longo dos anos, o evento foi mudando de como era quando criança. Ele diz que antigamente, tinha sumô, kendô, corrida, maratona do cemitério de Álvares Machado até o cemitério da colônia japonesa e era muito divertido. “Tinha cinema, com filme japonês à noite. Todo Shokonsai era muito divertido. Ultimamente, mudou bastante, não tem mais sumô, kendô, mas tem bonodori, a música japonesa, o karaokê, danças folclóricas japonesas. Está diferente, mas ainda divertido", narra.

Os mistérios deste dia

Um dos maiores e inexplicáveis mistérios neste evento é que em 101 anos, nunca choveu no dia. Ninguém sabe explicar o porquê do tempo bom no segundo domingo de julho, todo mundo só sabe que isso acontece.
Outro mistério é durante o ritual das velas. Às 17h, voluntários colocam uma vela em cada túmulo e todas queimam por inteiro. Alberto Yukio Nakada participa do Shokonsai há 40 anos e tem na memória o que sentiu na primeira vez que presenciou esse momento. “Eu até duvidava que e as velas se mantinham acesas em todos os túmulos. A gente não quer acreditar, mas sente alguma coisa bastante diferente, eu entendo que é uma coisa mística”, explica.

Gratidão aos brasileiros

Katsutani ressalta que a colônia japonesa contribuiu para o desenvolvimento da região e também do país. E acentua agradecimento aos brasileiros por receberem seus pais, avós, que fincaram as raízes no país, dando-lhes condições para que se desenvolvessem por aqui.
Para ele, é dever de todos os descendentes agradecer pela oportunidade de trabalhar assim como preservar e manter as tradições. Ele comenta que até brincam que tem mais restaurante japonês do que churrascaria por aqui. “Temos que ter essa gratidão. Se não fossem nossos antepassados, não estaríamos aqui com todo esse legado de reconhecimento das qualidades e também da cultura japonesa. As pessoas gostam e aderem a nossa cultura, dança, música e gastronomia. Isso nos deixa orgulhosos, de pertencermos, de sermos descendentes de japoneses e de termos a obrigação de manter esse legado", pontua Katsutani.

PRAÇA DE ALIMENTAÇÃO
Sushi – R$ 20
Temaki – R$ 15
Sashimi de Tilápia – R$ 25
Sashimi de Salmão – R$ 40
Karaage – R$ 20
Sobá – R$ 20
Gyudon – R$ 20
Yakisoba – R$ 20
Guioza – R$ 15
Tempurá – R$ 15
Yaki Manju – R$ 20
Mochi – R$ 25
Karintô – R$ 10
Sorvete frito – R$ 12
Pastel – R$ 8
Espetinho – R$ 10

BEBIDAS
Água – R$ 3
Suco – R$ 5
Refrigerante - R$ 5
Cerveja- R$ 5
Chopp Germânia – R$ 6


CRONOGRAMA
SÁBADO

Às 16h – Praça de alimentação
Às 16h – show com Nobuhiro Hirata

DOMINGO
9h - Culto budista na Capela do Cemitério Japonês
10h – Inauguração do Parque das Cerejeiras e monumentos referentes ao centenário do Shokonsai
11h – Oração pela paz no Monumento dos Soldados falecidos na Segunda Guerra Mundial
11h15 - Abertura oficial do palco
12h – Praça de alimentação e apresentações artísticas
16h30 – Bom Odori com participação do grupo Hikari, de Londrina (PR); Taiko Dantai Fênix (Presidente Prudente); e ritual das velas

Estevão Salomão / Folhapress

Para o japonês, ter os antepassados novamente com eles é motivo de alegria

Veja também