Sindemia foi afastada de Jaguariúna

Jair Rodrigues Garcia Júnior

Enquanto o conceito de pandemia chegou ao conhecimento popular pela razão óbvia de se viver uma delas na prática, o conceito de sindemia é pouco conhecido, mesmo entre os profissionais de saúde. Porém, é uma condição que obrigatoriamente deve ser considerada pelos profissionais de saúde vinculados de alguma forma com a gestão pública e a política, pois não será debelada com a vacina da Covid-19.

 

Sindemia

O termo foi concebido a partir das palavras sinergia, que significa duas condições ou ações que se combinam e se potencializam, e epidemia, que significa espalhamento rápido de uma doença por meio de contágios sucessivos. Em termos práticos, duas doenças juntas têm maior potencial de gravidade. Mas o conceito de sindemia é mais abrangente, pois considera a interação das doenças com as condições sociais de pobreza, desinformação, desnutrição e vulnerabilidade.

 

Covid-19

Artigo da revista científica britânica The Lancet de setembro propõe que a Covid-19 seja uma sindemia e não uma pandemia, como foi classificada pela OMS (Organização Mundial de Saúde). Faz sentido, pois a maioria dos casos de agravamento e mortes pela Covid-19 tem ocorrido nas pessoas que sofrem de doenças crônicas como obesidade, hipertensão arterial, diabetes, doenças cardiovasculares e respiratórias etc. Tais doenças, que “são administradas” com medicamentos e também causam mortes, porém ao longo de anos, potencializam a gravidade dos efeitos do coronavírus.

 

Soluções

O mesmo artigo sugere que a vacina da Covid-19 será importante, porém um paliativo, pois não terá qualquer efeito nas doenças crônicas responsáveis, anualmente, por milhões de mortes no mundo, independentemente de infecções virais. Soluções em médio prazo são: 1- a autogestão da saúde por cada indivíduo, assumindo um estilo de vida ativo e com alimentação adequada, algo que só tem chance de acontecer com políticas públicas de prevenção primária de doenças; e 2 - políticas públicas para diminuir a pobreza e desigualdade social.

 

Projeto vida de saúde

Exemplo da solução 1 ocorreu em 2016, em Jaguariúna, SP (52 mil habitantes). O professor de Educação Física Marcio Atalla realizou, durante nove meses, um programa para reduzir o sedentarismo e melhorar a alimentação dos moradores. Foram realizados eventos como caminhadas, pedaladas e oficinas de atividade física, que estimularam a vida ativa.

 

Abrangência

Simultaneamente, foram realizadas capacitação e orientação de profissionais de saúde, professores e nas empresas, para incentivar cada pessoa a incorporar um estilo de vida ativo e alimentação adequada. Alguns dos resultados estão na figura e certamente afastaram parcialmente a sindemia da cidade. Alguma cidade da região oeste paulista se interessa em tornar-se modelo em atenção primária à saúde e reduzir custos na atenção terciária?

 

 

DUAS DOENÇAS JUNTAS TÊM MAIOR POTENCIAL DE GRAVIDADE

 

 

 

 

Veja também