Sistemas do TJ e do MPE são desligados após ataque

PRUDENTE - MELLINA DOMINATO

Data 13/05/2017
Horário 10:02
 

Um ciberataque, que derrubou sistemas de comunicação de empresas e serviços públicos em 74 países no dia de ontem, chegou ao Brasil e fez com que todos os computadores fossem desligados tanto nos Fóruns quanto nas Promotorias de Justiça do oeste paulista. Em Presidente Prudente, a sede do MPE (Ministério Público Estadual) também foi atingida, no período da tarde. Departamentos jurídicos de estabelecimentos ainda foram prejudicados, visto que o acesso ao portal do TJ-SP (Tribunal de Justiça de São Paulo) na internet também ficou fora do ar até por volta das 18h, diferente do endereço eletrônico do MPE, que persistia sem acesso até o fechamento desta matéria.

Jornal O Imparcial STI do Tribunal emitiu recomendação por meio do sistema interno, no início da tarde

A STI (Secretaria de Tecnologia da Informação) do Tribunal emitiu uma recomendação por meio do sistema interno, no início da tarde, para que os funcionários do órgão, nos Fóruns do Estado, desligassem seus computadores. A medida foi atendida na maioria dos municípios, que prosseguiu com os serviços que poderiam ser executados manualmente. O mesmo procedimento foi adotado no MPE.

"Diante do ataque mundial aos sistemas informatizados ocorrendo neste momento, solicitamos que desliguem todos os computadores imediatamente. Novas orientações serão enviadas através das administrações dos prédios", orientou o TJ-SP aos servidores, no início da tarde.

 

Bancos

Nas redes sociais, funcionários da Vivo e do Banco Santander relataram problemas nas redes internas. No entanto, até o fechamento desta edição, a Assessoria de Imprensa da Telefônica, dona da Vivo, bem como do MPE, não haviam se manifestado sobre o assunto. Já o Santander declarou que "não foi impacto pelos ciberataques, nem no Brasil e nem no restante do mundo". "A informação chegou a ser veiculada por alguns veículos, mas já foi corrigida", destacou. A Febraban (Federação Brasileira dos Bancos) declarou que não possuía nenhuma informação sobre ocorrências envolvendo bancos, sugerindo que fossem procuradas as próprias instituições.

Em nota, a empresa telefônica Tim, assim como o Banco do Brasil e a CEF (Caixa Econômica Federal), informaram, no fim da tarde de ontem, que seus sistemas não tinham sido afetados e que funcionavam normalmente na região de Prudente.

 

No mundo

De acordo com informações da Agência Brasil, a empresa russa de segurança cibernética Kaspersky estimou em mais de 45 mil o número de ataques cometidos por crackers usando vírus do tipo ransomware, que afetou infraestruturas de informática em 74 países. As cifras, no fim da tarde, continuavam aumentando "inusitadamente".

A Kaspersky, que produz softwares de segurança cibernética, divulgou um comunicado no qual disse que identificou o "rootkit" (tipo de software malicioso, programado para se ocultar no sistema sem ser encontrado pelo usuário ou por antivírus) utilizado para efetuar o ciberataque. Segundo a nota, a ação indiscriminada ocorreu através de um sistema de propagação que utiliza uma vulnerabilidade detectada nos sistemas operacionais da Microsoft. O comunicado destaca que os crackers exigiam como recompensa US$ 600 em bitcoins. "O maior número de tentativas de ataque foi detectado na Rússia", destacou a fonte.

Na Espanha, segundo a Folhapress, ataques atingiram um "número elevado" de empresas. A rede interna da Telefônica foi crackeada e funcionários foram orientados a desligar seus computadores. No Reino Unido, ao menos 16 hospitais públicos enfrentaram problemas após um ataque análogo contra seus sistemas de tecnologia. O bloqueio de computadores impediu o acesso a prontuários e provocou o redirecionamento de ambulâncias.

 

Veja também