Soluções à destinação correta de resíduos sólidos da região

Empresa apresenta alternativa economicamente viável a municípios e empresas, além de coprocessamento do resíduo de forma inovadora

REGIÃO - DA REDAÇÃO

Data 28/03/2021
Horário 07:25
Foto: Cedida
Complexo de recebimento de resíduos está situado na divisa entre Martinópolis, Caiabu e Indiana
Complexo de recebimento de resíduos está situado na divisa entre Martinópolis, Caiabu e Indiana

Na região do oeste paulista, alguns aterros controlados seguem com suas atividades. Contudo, o prazo para o encerramento de recebimento de resíduos sólidos está terminando para alguns municípios. De acordo com dados da Cetesb (Companhia Ambiental do Estado de São Paulo), em seu último relatório, produzido em 2019, foram encontrados problemas nas estações municipais de transbordo de resíduos em cidades regionais. Empresa apresenta soluções à problemática.
Além da preocupação sobre a destinação final correta, a aceleração das atividades industriais e o crescimento populacional têm gerado aumento considerável na produção de resíduos. Com isso, a necessidade de desenvolvimento sustentável é discutida cada vez mais, visando o gerenciamento criterioso desses resíduos para o controle e prevenção da poluição despejada no meio ambiente.

Soluções à problemática

Diante do impasse em relação ao fim do prazo das atividades de aterros controlados e das incertezas em relação aos consórcios intermunicipais de encontrarem locais apropriados e levantar recursos necessários, além de licenças obrigatórias, a Transforma Energia apresenta alternativa economicamente viável a municípios e empresas, além de coprocessamento do resíduo de forma inovadora.
Com uma área de 51 alqueires, situada na divisa entre Martinópolis, Caiabu e Indiana, o empreendimento é um dos mais modernos complexos industriais de recebimento de resíduos do país, com foco principal na recuperação energética e sustentabilidade por meio do processamento, reaproveitamento, reciclagem e destinação final de rejeitos.
“O grande diferencial da Transforma Energia é ser a primeira empresa brasileira a desenvolver um projeto que atende 100% do novo marco regulatório de tratamento e destinação final de resíduos”, destaca o diretor-presidente da empresa, Felipe Barroso.

Impacto minimizado

Após vários estudos nos últimos anos, a localização estratégica foi escolhida visando causar o mínimo de impacto nas comunidades vizinhas ao empreendimento. “Sem emissão de gases de efeito estufa ou a produção de chorume, que seria um potencial contaminante do lençol freático. Essa é a nossa proposta”, expõe Felipe.
O diferencial da empresa, segundo ele, é trabalhar simultaneamente em três frentes: construção civil, grandes volumes e resíduos sólidos urbanos. Com isso, abrindo a possibilidade de atender diversos segmentos – públicos ou privados – ao mesmo tempo. No raio de atendimento da Transforma Energia, estão localizados 80 frigoríficos, 400 movelarias, 170 construtoras, indústrias de transformação, entre outros empreendimentos.

Diferencial competitivo

Por estar estrategicamente localizada em área na zona rural do oeste paulista, às margens do km 8,5 da Rodovia Salim Farah Maluf (SPA 431/425), e muito próxima aos grandes centros urbanos, como é o caso de Presidente Prudente (20 km de distância), a empresa conta com um grande diferencial: é a alternativa mais econômica para destinação final dos rejeitos de dezenas de municípios e indústrias situados em um raio de 60 km.
“Veja um exemplo prático: os aterros convencionais estão a cerca de 80 km do raio de atuação. Imagina o caso de Presidente Prudente, caso tenha que fazer esse deslocamento para a destinação de seus resíduos. Isso encarece demais a operação”, exemplifica Felipe.
Outro ponto forte da empresa em relação aos aterros concorrentes em atividade no momento é que eles operaram na forma convencional, ou seja, enterram 100% dos resíduos recebidos, sem nenhum beneficiamento ou criação de valor socioambiental.
Próximo de dezenas de indústrias, que são grandes geradoras de resíduos, o complexo da Transforma Energia conta com mais um valor competitivo.

Recebimento de resíduos

A Planta de RCC (Resíduos da Construção Civil) terá a capacidade de processar 75 toneladas por hora de demolições, reformas e outros projetos desse segmento como: tijolos, telhas, blocos, argamassa, ferros e itens de cerâmica. Já na Planta de RGV (Resíduos de Grandes Volumes), serão processadas 20 toneladas de resíduos por hora, entre armários, camas, sofás, portas, mesas, cadeiras, berços, etc. Por último, a Planta de RSU (Resíduos Sólidos Urbanos) terá a capacidade de recepção de 500 toneladas por dia de resíduo doméstico urbano produzido dentro das casas, escritórios, etc.

Veja também