Tarifa oferecida em certame é menor que vigente

PRUDENTE - GABRIEL BUOSI

Data 20/09/2017
Horário 12:15

A Company Tur Viagens e Turismo (Pruden Express) venceu a licitação do transporte público de Presidente Prudente, ontem, ao ofertar a tarifa de R$ 3,50, valor menor do que o atual oferecido no município, de R$ 3,60. Nos últimos anos, a companhia chegou a solicitar reajuste da tarifa que chegava a R$ 3,92.

De acordo com a advogada da Pruden Express, Renata Moço, alguns fatores influenciaram diretamente na decisão de ofertar um valor R$ 0,20 mais barato que o teto estipulado no edital da licitação, de R$ 3,70. “Até o momento são duas empresas em operação na cidade. Ao vencer a licitação e ficar com o transporte do município, a Pruden Express vai conseguir investir e atender ao que foi proposto. Até porque, boa parte da frota e investimentos, a empresa já possui aqui [na cidade]”, ressalta.

Ainda conforme Renata, o contrato, que terá 10 anos de duração, traz segurança e permite arcar com todas as propostas oferecidas, como GPS, câmera, wifi e biometria facial. “A cotação de tudo o que foi ofertado, ao longo dos 10 anos, foi boa e favorável, já que são mais de 100 veículos no total. O valor cai e a companhia consegue atender a população”, garante. Outro fator de relevância destacado pela advogada é o suporte recebido dos bancos, já que empréstimos precisarão ser feitos para atender a demanda.

O valor que levou a melhor na licitação, de R$ 3,50, é referente ao reajuste vigente de dezembro de 2016. Renata afirma ainda que um novo reajuste pode ser feito no fim deste ano, em dezembro, mas que justificará o serviço oferecido.

Um dos sócios da empresa Transporte Coletivo Passense, concorrente da licitação, Valdson José da Silva, afirma que não entrará com recurso, uma vez que o preço ofertado pela Pruden Express está “dentro do possível”. “Eu não esperava essa tarifa ofertada, mas não vou discutir o valor”, ressalta. Ainda confirme Valdson, por já ter participado de outras licitações, percebe que a empresa que já presta serviços para a cidade, como é o caso da Pruden Express, possui vantagens nos processos. “Elas [empresas] estão em casa e conseguem oferecer preços melhores, até por já terem recursos no município, e, provavelmente, vão fazer algum tipo de economia para se enquadrar no preço ofertado”, expõe.

 

“A Pruden Express vai conseguir investir e atender ao que foi proposto. Até porque, boa parte da frota e investimentos, a empresa já possui na cidade”

Renata Moço,

advogada da Pruden Express

 

Longa jornada

A novela do transporte público em Presidente Prudente já teve inúmeros capítulos na Justiça. No fim do ano passado, por exemplo, as empresas que operam os serviços no município, Pruden Express e TCPP (Transporte Coletivo de Presidente Prudente), solicitaram reajuste de 20,6% sobre o valor na época, de R$ 3,25. A correção elevaria o valor da passagem para R$ 3,92, a partir de janeiro deste ano. A proposta aceita e anunciada pela Semav (Secretaria Municipal de Assuntos Viários e Cooperação em Segurança Pública), em fevereiro, foi de 10,76% e chegou aos atuais R$ 3,60.

Após três meses da nova tarifa, como noticiado à época por O Imparcial, o promotor de Justiça, Filipe Teixeira Antunes, protocolou um recurso que pedia a suspensão imediata do aumento do valor da passagem. O pedido foi indeferido com a justificativa de que já tramitava uma ação das empresas responsáveis pelo serviço, pedindo um aumento ainda maior na tarifa e indenização por “desequilíbrio econômico-financeiro”.

Já em agosto, a Comissão Permanente de Licitações inabilitou as três candidatas ao processo licitatório do transporte público em Prudente, ao constatar que alguns documentos estavam em desacordo com o edital, que segue as orientações do TCE (Tribunal de Contas do Estado) e, portanto, inabilitou e deu o prazo de cinco dias úteis para interposição de recursos.

O último capítulo, até a abertura dos envelopes, na manhã de ontem, foi quando o juiz da Vara da Fazenda Pública, Darci Lopes Beraldo, revogou a decisão que suspendia a abertura dos envelopes. Com a decisão, ficou marcado para ontem o conhecimento dos valores ofertados e de quem venceria a licitação.

Veja também