Treinamento que protege o coração

Jair Rodrigues Garcia Júnior

A fisiologia é uma ciência fascinante na qual se desvenda o funcionamento dos órgãos e sistemas. A complexidade da interação e interdependência entre os sistemas que desempenham funções específicas e complementares nos dá, ao mesmo tempo, a dimensão da perfeição e da fragilidade. Com um dos elos rompidos, o desequilíbrio é fatal.

Coração

Ao contrário do pensamento dos leigos, o coração não é órgão mais importante. Assim como o cérebro ou o fígado não são. Qualquer dos órgãos que não funcione com eficiência compromete irremediavelmente a manutenção dos demais, que também vão perdendo sua função. Nessa condição, a manutenção da homeostase também fica comprometida, levando às doenças.

Mais fatal

Mesmo não sendo o mais importante, o coração é o órgão que mais apresenta problema de funcionamento, em geral, a insuficiência cardíaca, que é a incapacidade de bombear sangue para todos os demais órgãos e tecidos. No Brasil os problemas do coração causam mais de 27,5 mil mortes anuais, que são equivalentes a três mortes a cada hora (Sociedade Brasileira de Cardiologia). Os problemas circulatórios, que incluem infartos e acidente vascular cerebral (AVC), representam 30% de todas as mortes.

 Fatores de risco

 

Já conhecidos pela maioria das pessoas, mas vamos lembrar os não-modificáveis: hereditariedade, idade e sexo; e os modificáveis: sedentarismo, obesidade, tabagismo, dieta rica em gorduras animais, diabetes, hipertensão arterial, estresse e inflamação sistêmica crônica.

 Fatores de proteção

Estudos do Dr. Kenneth Cooper, que foram amplamente divulgados a partir da década de 1980, demonstraram que a caminhada e corrida praticadas regularmente podem proteger o coração. Por isso, os profissionais de saúde passaram a prescrever exercícios aeróbios (“Aerobics” foi o livro publicado à época) para todos.

Novos treinamentos

Para quem não gosta, não tem tempo ou lugar para correr 30 min ou mais por dia, há opções de exercícios também eficientes para proteção do coração: treinamento intervalado de alta intensidade (HIIT - realizado também no treinamento funcional e CrossFit) e treinamento de alta intensidade com exercício resistido (HIT-RT), que consiste em única série de exercício realizada até a fadiga. Esses treinamentos promovem diminuição do peso corporal e dos triglicerídeos, aumento do HDL-colesterol, melhora da condição da síndrome metabólica e do volume de ejeção do coração. Portanto, exercícios de alta intensidade podem proteger o coração, mesmo quando de curta duração.

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Veja também