UEPP pede canal único e seguro na fiscalização sanitária a empresas

"É preciso que haja uma fiscalização com um único modelo de atuação para cada fase”, ressalta Renato Mungo

PRUDENTE - DA REDAÇÃO

Data 17/04/2021
Horário 15:37
Foto: Cedida
Prefeito Ed Thomas garantiu que vai melhorar comunicação municipal
Prefeito Ed Thomas garantiu que vai melhorar comunicação municipal

Representando a UEPP (União das Entidades de Presidente Prudente e Região), o presidente, Renato Mungo, reuniu-se na tarde de ontem com o prefeito, Ed Thomas (PSB), para pautar sobre a fiscalização sanitária do comércio e concessão do Aeroporto Estadual Adhemar de Barros. 

Também estiveram presentes a secretária municipal de Desenvolvimento Econômico de Presidente Prudente, Ana Paula Setti; o Secretário Municipal de Assuntos Jurídicos, Jorge Duran; Rubens Afonso e o  empresário Vanberson Fabri, do Sinhoeres (Sindicato de Hotéis, Restaurantes e Similares).

Conforme Renato Mungo, a reunião foi agendada com o intuito de dialogar com o executivo municipal para viabilizar a padronização da fiscalização dos protocolos de vigilância sanitária em estabelecimentos da cidade. “Existe uma grande dúvida nas informações, abrindo margem para  interpretações equivocadas por fiscais e empresários, considerando as lacunas nos decretos, o que tem gerado instabilidade na forma de funcionamento e até autuações indevidas.

Diante do impasse, foi sugerido a criação de um canal seguro e rápido, como portarias, sobre o exercício de atividades que são autorizadas. “Mesmo que semanalmente ou quinzenalmente o governador João Doria anuncia alterações no Plano São Paulo, é preciso que haja uma fiscalização com um único modelo de atuação para cada fase”, ressalta Mungo.

Após ouvir a demanda, o prefeito Ed Thomas garantiu que vai melhorar comunicação municipal e, mesmo que não detenha as diretrizes sobre todos os agentes do Procon e Vigilância Sanitária Estadual, trará maior o esclarecimento possível. 

Aeroporto

A concessão do aeroporto prudentino também foi outro assunto tratado. Nesta semana, o governo do Estado de São Paulo anunciou a abertura de licitação para a concessão dos serviços de operação, manutenção, exploração e ampliação da infraestrutura aeroportuária dos 22 aeroportos da rede estadual. No entanto, a UEPP é contra o modelo de contrapartidas adotado, pois não contempla a construção de um novo terminal, somente uma mera ampliação.

Em consonância, Ed Thomas disse que apoia 100% ao que a UEPP defende e salientou que é preciso criar movimento para modificar o modelo de concessão.

Veja também