Velocistas angolanos treinam na pista da Unesp

O técnico da FAA, José Fernando da Conceição Santos, avalia com entusiasmo a vinda de seus atletas para Prudente.

Esportes - Alana Pastorini

Data 12/10/2013
Horário 10:08
 

Velocistas da Federação Angolana de Atletismo (FAA) desembarcaram em Presidente Prudente, no início da semana, e onde permanecem até o dia 25 deste mês. O objetivo dos 12 angolanos é estagiar em solo prudentino, buscando aprimorar técnicas e trocar experiências na pista de atletismo Mário Covas da Faculdade de Ciências e Tecnologia da Universidade Estadual Paulista (FCT/Unesp), parceira da iniciativa.

Jornal O Imparcial Equipe de 12 angolanos fica em PP até o dia 25 deste mês; Jayme Netto Junior auxilia no treino

A equipe recebe coordenação do técnico português, José Fernando da Conceição Santos, junto com o professor da FCT/Unesp, Jayme Netto Junior, ex-treinador da seleção brasileira de atletismo. O docente prudentino explica que a vinda dos atletas faz parte de um acordo efetuado entre a FAA e a instituição de ensino superior, visando a avaliação, treinamento, exames das condições clínicas e fisiológicas dos esportistas, por meio do projeto de internacionalização.

"É de suma importância a interação deles com o nosso País, buscamos mostrar e proporcionar as nossas técnicas e treinamentos, que serão constituídos por treino de musculação, de rampa, entre outros", pontua Jayme. Além disso, reforça para o envolvimento dos professores Ismael Forte Freitas Júnior, Luis Carlos Marques Vanderlei e Carlos Marcelo Pastre.

O técnico da FAA, José Fernando da Conceição Santos, avalia com entusiasmo a vinda de seus atletas para Prudente. "Vamos aprimorar nossas técnicas. Conhecer mais sobre o que o Brasil pode nos oferecer e essa interação é fundamental para uma melhor qualificação dos velocistas", avalia Santos, que treina os angolanos há dois meses. O intercâmbio também serve de preparação para a temporada de 2014.

 

Troca de conhecimentos

Para o corredor de Luanda, Osvaldo Alexandre, 24 anos, velocista há cinco, poder conhecer as melhores técnicas e levar para o seu país um atletismo de melhor qualidade, vale cada gota de suor. "Buscarei aprender tudo o que puder aqui. Quero aprimorar minhas técnicas e assim, conquistar meu objetivo de chegar nos 100 metros com o tempo de 10 segundos, hoje faço o percurso em 10s78", ressalta.

Também de Luanda, Prisca Baltazar, 21 anos, almeja conquistar o pódio entre os três melhores do continente africano em provas de velocidade. "Fiquei muito empolgado em treinar no Brasil, é uma nação que tem muito a nos ensinar e eu pretendo aprender o máximo que puder. Não temos uma estrutura adequada de treinamento na Angola, por isso, a importância de aprender com quem tem experiência e estrutura para ensinar", pontua.

Veja também