Viagens no feriado acendem alerta para contágio 

EDITORIAL - DA REDAÇÃO

Data 08/09/2020
Horário 04:34

Basta acessar as redes sociais e grupos de WhatsApp para visualizar registros fotográficos de pessoas em encontros sociais, festas clandestinas, bares e praias – destinos estes buscados por muitos para a passagem do feriado prolongado, que segue até o final da noite de hoje. Mas está enganado quem ainda pensa que o momento é para diversão, uma vez que o novo coronavírus está solto e, sem sombra de dúvidas, fará muito mais vítimas nos próximos dias, principalmente na região de Presidente Prudente, que sempre inspirou cuidados.
De acordo com a Polícia Militar Rodoviária, na sexta-feira houve um aumento considerável de veículos na saída para o feriado, mesmo diante da quarentena, que na prática não ocorreu e ainda permanece na mesma situação. As rotas para o litoral paulista, por exemplo, chegaram a ficar congestionadas e geraram debate acerca da realidade do novo cornavírus. Ao que parece, não caiu a ficha da maioria da população sobre a gravidade da doença, que já ceifou milhares de vidas, números que aumentarão ainda mais, com ênfase para a região oeste do Estado de São Paulo
É assustador ver a quantidade de moradores que estão em viagem para as praias – pessoas que não temem a exposição e publicam fotos em meio às aglomerações como se estivesse tudo lindo e maravilhoso. Serão esses “os imortais” que não têm medo da doença? Mais provável que sejam os transportadores do vírus que matará outras pessoas. Chega a ser uma tremenda falta de respeito o que se enxerga... dá a entender que a saúde pública não é tão importante para a comunidade, ao resgatar a forma em que ela sempre lutou em situações que antecederam o vírus. “Ah, mas não tem vagas no SUS (Sistema Único de Saúde)”; “Estou há horas em pé esperando atendimento”; “Onde já se viu hospital lotado?”. 
É aquele negócio: cobrar todo mundo cobra, mas cai fora na hora de cumprir com a obrigação. Se cada um fizer a sua parte, tudo voltará ao normal o quanto antes. Porém, pelo andar da carruagem, isso está longe de acontecer. 

Veja também