COTIDIANO

Acidentes com motociclistas ceifam vidas precoces e ampliam estatísticas

  • 24/07/2019 04:02

Os últimos dias foram muito tristes na região de Presidente Prudente, por conta do número de acidentes com vítimas fatais ou graves registrados nas estradas ou dentro do perímetro urbano das cidades. O mais grave deles foi registrado o começo da noite de domingo, na Rodovia Júlio Budisk (SP-501), em Alfredo Marcondes, que resultou na morte de quatro pessoas e deixou outras duas com ferimentos de natureza leve após uma colisão frontal entre veículos. Mas o que chama a atenção entre os acidentes está a quantidade de ocorrências envolvendo motocicletas, que na maioria das vezes são fatais. E pior, grande parte das vítimas são jovens, que quando não perdem suas vidas na melhor fase dela, ficam inválidos em plena idade ativa.

O mais recente caso do tipo foi registrado na tarde de ontem, em Rancharia. Um rapaz de 21 anos morreu depois de colidir a motocicleta contra um caminhão na Rodovia Homero Severo Lins (SP-284). Ele era morador do município e chegou a ser socorrido, porém não resistiu aos ferimentos e morreu.

Antes, no domingo, um jovem de 20 anos morreu no HR (Hospital Regional) Doutor Domingos Leonardo Cerávolo, em Prudente, depois de oito dias internado na UTI (Unidade de Tratamento Intensivo). Ele sofreu um acidente de moto na Avenida Shoji Sugano, no Residencial Maré Mansa, no dia 13 deste mês. Mesmo dia 13 em que um jovem de 19 anos morreu vítima de um acidente com uma motocicleta na Avenida Comendador Alberto Bonfiglioli, também em Prudente.

Todos jovens, todos de motocicleta, todos perderam a vida de maneira precoce e entraram para as estatísticas, que mostram que os acidentes de trânsito causaram a morte de 1,35 milhão de pessoas no mundo segundo relatório da OMS (Organização Mundial da Saúde). Deste total, 54% das envolvem motociclistas, ciclistas e pedestres. Além disso, ferimentos relacionados a acidentes já são a principal causa de morte de crianças e jovens, com idades entre 5 e 29 anos no mundo.

ÚLTIMAS DO AUTOR