Agente penitenciário mata a esposa após discussão

Renata Alves Betti, 27 anos, chegou a se trancar no banheiro e avisar a família sobre o comportamento “alterado” do marido

REGIÃO - ROBERTO KAWASAKI

Data 31/03/2020
Horário 11:06
Reprodução/Facebook - Renata e Alex haviam se casado há 11 meses Foto: Reprodução/Facebook - Renata e Alex haviam se casado há 11 meses

Um agente penitenciário foi preso após matar a esposa durante uma discussão ocorrida na noite de ontem, em Martinópolis. Após o crime, ele se entregou durante a madrugada após tratativas com a polícia. De acordo com o Polícia Civil, antes de ser assassinada a mulher chegou a gritar por socorro e avisar a família de que o indivíduo estava dentro da casa.

O crime ocorreu pouco antes da meia-noite, no imóvel do casal localizado na Rua Juracy José Coelho Gomes, bairro Pioneiro 2. Conforme a polícia, Alex Paschoal Betti, 35 anos, e Renata Alves Betti, 24, estavam juntos há dois anos, porém, casados há 11 meses. Na Delegacia de Polícia Civil, o indivíduo relatou que recentemente haviam se separado, mas que ainda mantinham contato.

Na noite de ontem, eles estiverem juntos na residência. Em determinado momento, o homem pegou o celular da vítima que estava na cama e começou a questionar sobre supostos contatos na agenda telefônica. Segundo a polícia, a conversa resultou em discussão e ambos entraram em luta corporal.

 

MORTA COM

TRÊS TIROS

Durante a briga, a mulher correu para dentro do banheiro e trancou a porta. Foi naquele momento em que passou a gritar por socorro, inclusive, mandou mensagem para a família pedindo ajuda e avisando sobre o comportamento “alterado” do marido. Na sequência, segundo a polícia, a mulher saiu do banheiro e correu para a sala, quando foi surpreendida pelo autor.

De acordo com a Polícia Civil, Renata foi morta com aproximadamente três tiros. Após o crime, o agente penitenciário – que estava afastado do serviço há quatro meses, permaneceu no imóvel até que acabou se entregando, por volta das 3h, após tratativas com a Polícia Militar.

A arma de fogo calibre 38 foi apreendida e será periciada. Depois do flagrante, Alex Paschoal Betti foi conduzido à Delegacia de Polícia Civil onde prestou depoimento. Ele passará por audiência de custódia e será encaminhado ao CDP (Centro de Detenção Provisória) de Caiuá.

Renata Alves Betti trabalhava como auxiliar de enfermagem na Santa Casa de Martinópolis. Até a publicação desta reportagem não havia informações sobre sepultamento da vítima.

 

Arquivo/Polícia Civil - Acusado esteve na delegacia para prestar depoimento

Publicidade
eixosp

Veja também