Divulgação/Comitê Paralímpico Brasileiro - Atleta é um dos 13 brasileiros que representam o país na competição

Foto: Divulgação/Comitê Paralímpico Brasileiro - Atleta é um dos 13 brasileiros que representam o país na competição

PARABADMINTON

Rogério Júnior joga pelo Dubai Internacional 2019

Prudentino é um dos 13 atletas que representam o Brasil na competição; em quadra, ele foi derrotado nos dois primeiros jogos disputados até aqui

  • 04/04/2019 06:14
  • THIAGO MORELLO - Da Redação

Diretamente dos Emirados Árabes, em Dubai, o paratleta prudentino de parabadminton, Rogério Júnior Xavier de Oliveira, de 18 anos, encara mais uma competição. Atleta da equipe Sesi, ele joga desde terça-feira até hoje o Dubai Parabadminton Internacional 2019, sendo um dos 13 competidores representando o Brasil no evento. As competições marcam o início da disputa por vagas nas Paralimpíadas de Tóquio, no Japão, em 2020.

Por estar praticamente do outro lado do mundo, a reportagem tentou contato com o atleta, mas não obteve sucesso. No entanto, a técnica do jovem, Mayara Bacarin, além de estar na torcida aqui em Presidente Prudente, detalha como funciona a competição. “No momento, ele ainda está na fase de grupos, onde serão disputados três jogos a fim de elencar quem vai passar para a próxima fase”, completa. Ela detalha que na terça-feira, primeiro dia de jogos, e no início da manhã de ontem, Rogério perdeu as duas primeiras partidas disputadas.

Com isso, a garantia dele na competição ainda não é algo descartado. “O próximo jogo vai definir a situação dele. Contudo, a gente precisa esclarecer o viés disso tudo, que é a elevação de nível dele. Trata-se de uma competição grande, com muitos atletas, e é normal que às vezes as coisas não saiam como planejado”, comenta. O atleta compete tanto no individual quanto pelas disputas em dupla. Nessa última, aliás, em uma classe acima.

Isso porque, segundo a treinadora, Rogério pertence à categoria SL4, relativo aos portadores de limitações de membros inferiores. Mas por não ter outro atleta brasileiro ao seu nível para competir em dupla, o jogador acaba disputando pela SU5 (limitação de membros superiores). “Apesar de na prática parecer algo mais complicado, é também a chance dele adquirir um volume e experiência maior. Pensando em nível internacional, ele conseguiria isso pelo nível elevado da competição”, completa.

Para ela, o prudentino, nesse ano, pôde ter contato pela primeira com competições “realmente grande em de níveis internacionais”. “Ele já até participou de outras, mas com pouco atleta. Agora ele está conhecendo o mundo realmente. E isso acaba ajudando a melhorar a performance dele”, pontua. Ainda de acordo com Mayara, Rogério tem condições de, hoje, ser um dos tops 10 do mundo. “Basta ele mesmo acreditar nisso”, afirma.

Ciclo paralímpico

A competição em Dubai trata-se da segunda participação do atleta no ciclo paraolímpico em 2019. A primeira ocorreu recentemente, entre os dias 25 e 30 de março, no qual o prudentino jogou pelo Aberto Internacional da Turquia e chegou a passar pela fase de grupos. “Na verdade, assim, não existe mais competição que não é mais importante. Tudo conta para o ranking mundial, a fim de conseguir estar em Tóquio 2020”, finaliza a treinadora.