Divulgação: Freixo: “Cidadão pode e deve participar de forma efetiva em seu dia a dia

Foto: Divulgação: Freixo: “Cidadão pode e deve participar de forma efetiva em seu dia a dia

Sarau Solidário reflete sobre Planeta

Com o tema “Jardins do Fim do Mundo”, a iniciativa ocorre a partir das 19h30, no Centro Cultural Matarazzo, em Presidente Prudente

  • 19/10/2019 10:00
  • DA REDAÇÃO

Mais uma edição do sarau literário se aproxima. Será a 130ª. Conforme a organização, não será só mais um evento, e sim uma grande reflexão sobre a casa, jardim, cidade, Estado, país. “Nosso planeta”. Com o tema “Jardins do Fim do Mundo”, a iniciativa ocorre a partir das 19h30, no Centro Cultural Matarazzo, em Presidente Prudente.

O presidente da APE (Associação Prudentina de Escritores), Carlos Francisco Freixo, explica sobre a resenha do evento. “A perfeição do mundo foi a nós dada. Tudo aí está para nos encantar, para nos fazer voar, para navegar, para desfrutar. Há uma ciência para se pensar. Não despreze esta bênção. Respire estes ares, navegue nesses mares, desfrute tantos sabores, seja filho de Deus. Esta é nossa terra. Não é tua, não é minha. Não há um Planeta B”, destaca.

A evolução é parte importante do desenvolvimento. Cada descoberta é significativa, mas também deve repensar o tempo todo na atuação como pessoa dentro de todo esse contexto. “Se lembrarmos de que modo comprávamos nossos produtos na mercearia, por quilo, sem data de validade, sem as informações de cada produto adquirido, vamos perceber que a indústria, naturalmente, evoluiu e passou a ter grande responsabilidade neste contexto. E nós, ao recebermos tudo devidamente fornecido com as devidas informações, podemos também fazer a nossa parte e reencaminhar de modo cidadão, algo extremamente simples de ser feito”, cita.

Destaca ainda que é sabido que tudo é responsabilidade 100% do governo em suas esferas municipal, estadual e federal. “Mas, também 100% é de responsabilidade do cidadão que pode e deve participar de forma efetiva em seu dia a dia colaborar, organizar, destinar de forma adequada”, frisa.

Essa inter-relação faz-se urgente. “Sei dos trâmites legais, dos prazos, das adequações, do debate com a sociedade e com os especialistas, mas seria interessante também termos atitudes legais, colaborar de modo mais racional para podermos sentar ao pé de casa, na calçada, nas praças, onde pudermos reunir todas as faixas etárias que perfazem o que nós chamamos humanidade”, diz.

Sarau Solidário-APE

Arte: Carlos Cristiano Barbosa

Música: Murillo Altafine, Felipe Andrade Farah, Cida Ajala

Catadora: Maria Aparecida Pereira de Oliveira

Escritores: Membros da Associação Prudentina de Escritores