Tudo é uma questão de perspectiva

EDITORIAL - DA REDAÇÃO

Data 07/05/2020
Horário 04:39

O que fazer diante de um cenário de pandemia nunca antes enfrentado por esta e outras gerações? Cruzar os braços e se lamentar? Reclamar do presente e da incerteza do futuro? Como tudo na vida, o que se planeja e se concretiza é questão de perspectiva, ou seja, depende da sua reação diante dos acontecimentos. Que tal, ao invés de lamúrias e lágrimas, aproveitar o momento para realizar algo produtivo? É como o velho ditado: dos limões faça uma limonada!

Não se equivoque nas interpretações. Ninguém aqui está dizendo que o cenário não é caótico, que a economia não é preocupante, que o desemprego não é um problema real a milhões de brasileiros. Isso sem contar no perigo iminente que nos sonda, o causador de tudo isso: o novo coronavírus. Mas o que isso mudará se você não arregaçar as mangas, pelo menos no plano das ideias? Se temos de cumprir o isolamento social e domiciliar, o faça sempre agradecendo por ter um teto sob a cabeça. O que diferencia o ser humano dos outros animais é sua incrível habilidade de adaptação.

Quem diria que o home office, algo tão difundido mundo afora, mas por muitos no Brasil visto com certa estranheza e até desconfiança, seria a “carta na manga” de tantas e tantas empresas neste momento de distanciamento social? E o uso das máscaras faciais? Agora um acessório obrigatório em espaços públicos de todo o Estado e de tantos municípios pelo país, é fácil vermos as estampas mais carismáticas dando o ar da graça pelas ruas.

Em Presidente Prudente, e outras cidades da região, alguns exemplos mostram como empatia e olhar ao próximo fazem a diferença. Para tantas e tantas pessoas que já se sentem impotentes diante das dificuldades financeiras, ter de ficar horas e horas em pé, sob o sol, se expondo sim a riscos pela proximidade com os demais, para recorrer ao auxílio emergencial disponibilizado pelo governo federal, é algo que as deixa ainda pior do que estão. O gesto das prefeituras, em parceria com a Caixa Econômica Federal, de disponibilizar tendas e cadeiras a essas pessoas demonstra, no mínimo, respeito aos cidadãos. E é disso que todos nós precisamos neste momento. De um olhar de compaixão, de ternura, de amor ao próximo. Pequenas atitudes são capazes de transformar a humanidade!

Veja também