HPV pode virar câncer em várias partes do corpo

Após a infecção, o vírus pode permanecer no corpo sem manifestações, no entanto, alguns casos apresentam verrugas, chamadas de condilomas genitais

Saúde & Bem Estar - OSLAINE SILVA

Data 24/09/2020
Horário 08:15
Freepik - Idade indicada para meninas tomarem a vacina é de 9 a 14 anos e meninos de 11 a 14 anos Freepik - Idade indicada para meninas tomarem a vacina é de 9 a 14 anos e meninos de 11 a 14 anos Imagem: Freepik - Idade indicada para meninas tomarem a vacina é de 9 a 14 anos e meninos de 11 a 14 anos

Estudos apontam que o HPV (vírus do papiloma humano) é tão comum que quase todas as pessoas, homens ou mulheres, serão infectadas por um ou mais de seus inúmeros tipos em alguma fase da vida. Após a infecção, o vírus pode permanecer no corpo sem manifestações, no entanto, alguns casos apresentam verrugas, chamadas de condilomas genitais que, dependendo do vírus, podem evoluir para câncer no pênis, na vagina, no ânus, no colo do útero, na boca, entre outras partes do corpo. Para evitar o aparecimento das verrugas, o SUS (Sistema Único de Saúde) disponibiliza a vacinação para meninos e meninas. 
Tendo como fonte estudos do Inca (Instituto Nacional do Câncer) e experiências pessoais profissionais, o infectologista Luiz Euribel Prestes Carneiro, do HR (Hospital Regional) Doutor Domingos Leonardo Cerávolo, de Presidente Prudente, explica que a infecção pelo HPV é uma IST (infecção sexualmente transmissível). E que existem diferentes formas de prevenção: a vacina, a realização periódica do exame preventivo (papanicolau), e o uso de preservativo nas relações sexuais.
Segundo o médico, quando as verrugas se tornam visíveis nas regiões genitais podem ser vistas a olho nu, porém, o diagnóstico deve ser feito por um médico, preferencialmente ginecologista, urologista ou infectologista. “Algumas lesões podem ser muito pequenas ou não podem ser observadas visualmente [canal vaginal, anorretal ou colo uterino]. Nesses casos, o médico pode usar aparelhos e diagnosticá-las, submetê-las à biopsia e removê-las, cirurgicamente ou através de medicamentos”, explica o infecto.

Por que a vacinação é tão importante?

O médico enfatiza que, assim como todas as vacinas, esta, distribuída gratuitamente pelo SUS, é um método bastante eficaz de prevenir infecções futuras pelo HPV. A idade indicada para meninas é de 9 a 14 anos e meninos de 11 a 14 anos. E pessoas que vivem com HIV e também as transplantadas na faixa etária de 9 a 26 anos. 
Porém, conforme o médico, a vacina não se mostrou eficaz em quem já está infectado e que apresente lesões pelo HPV. Segundo ele, à medida que uma adolescente ou jovem se tornam ativas sexualmente, a probabilidade de infecção cresce conforme a idade. “Mas ainda precisam ser feitos estudos abrangendo maior número de pessoas e por maior tempo para conclusões definitivas. Também não há nenhuma contraindicação, embora o SUS não disponibilize a vacina a esse público. É comum pessoas já infectadas procurarem o médico para prescrever a vacina”, acrescenta o especialista.
Conforme Luiz Euribel, quando a vacina foi lançada no Brasil, em 2014, houve divulgação pela imprensa de casos de meninas que teriam sentido efeitos colaterais, porém, sem comprovação científica ou confirmação oficial pelo Ministério da Saúde. Ele menciona que há também um movimento mundial de fake news e antivacinas, vindos especialmente de países ricos como Estados Unidos e Europa. “No entanto, nesses mesmos países há uma diminuição importante de lesões por HPV em adolescentes, após o início da vacinação. Vale lembrar que o HPV é o principal tipo de câncer em orofaringe [região da garganta] entre adolescentes e jovens dos Estados Unidos, pela prática de sexo oral por pessoas não vacinadas”, destaca o médico.

Eliminação das verrugas

De acordo com o infectologista, todas as verrugas genitais devem ser tratadas, cujo objetivo é a sua eliminação, quer seja por remoção cirúrgica ou através de medicamentos. Embora a infecção pelo HPV seja muito frequente, muitas vezes, a lesão regride sozinha, por ação do sistema imune que bloqueia e destrói o vírus. 
“No pequeno número de casos nos quais a infecção persiste pode se tratar de um tipo de vírus chamado de oncogênico, causado por um oncovírus como o HPV [com potencial para causar câncer], onde pode ocorrer o desenvolvimento de lesões precursoras, que se não forem identificadas e tratadas podem progredir para o câncer, principalmente no colo do útero, mas também na vagina, vulva, ânus, pênis, orofaringe e boca”, reforça o médico.

SERVIÇO
Onde encontrar a vacina?

Conforme o médico Luiz Euribel, a vacina pode ser encontrada nas unidades básicas de saúde e devem ser tomadas duas doses. A segunda dose deve ser tomada seis meses após a primeira.

SAIBA MAIS

COMO SE PREVINIR?

Vacina contra o HPV: as vacinas são as medidas mais eficazes para a prevenção de inúmeras doenças, se mostrando altamente eficaz na prevenção do HPV.
 
Exame preventivo de colo de útero contra o HPV: O papanicolau é o exame ginecológico preventivo mais comum para identificação de lesões precursoras do câncer do colo do útero. É altamente empregado para mulheres sexualmente ativas e quando as lesões são identificadas devem ser tratadas, antes de se tornarem câncer. Está disponível no sistema público de saúde e deve ser feito anualmente.
 
Preservativo: o uso do preservativo masculino ou feminino nas relações sexuais é uma forma importante de prevenir o HPV e a maioria das ISTs, como sífilis e HIV, embora esse método não seja completamente eficaz na prevenção do HPV.
 
Foto: Cedida

Médico de Presidente Prudente fala sobre HPV

Luiz Euribel é infectologista no Hospital Regional
 

Veja também